Game pernambucano fica em 1º lugar em premiação cultural

No Guardiões da Justiça 1.0, o jogador deve realizar tarefas para preservar e entrar no prédio do Memorial da Justiça

seg, 04/07/2022 - 17:59
Divulgação Print de tela do game Guardiões da Justiça 1.0 Divulgação

A Tangram Cultural acaba de ganhar o 1º lugar no Prêmio Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural de Pernambuco, na categoria Formação, pelo jogo inclusivo Guardiões da Justiça 1.0, feito em parceria com o Memorial da Justiça de Pernambuco.

O game Guardiões da Justiça 1.0, feito para dispositivos móveis (celulares e tablets) e desktop, é destinado a crianças a partir dos quatro anos e a pessoas de todas as idades com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), transtornos de aprendizagem e/ou deficiência intelectual, visual ou auditiva.

Vale ressaltar que o jogo, com DNA 100% pernambucano, pode ser baixado gratuitamente nas lojas Play e Apple Store e é um dos primeiros games produzidos no Brasil que disponibilizam recursos de acessibilidade comunicacional, como audiodescrição, Libras e legendas para surdos e ensurdecidos, além de oferecer narração em português e  inglês.

“Foram dois anos de desenvolvimento para tornar o game o mais inclusivo possível. Não criamos o jogo para pessoas sem deficiência e depois o adaptamos. Ele já nasceu com a preocupação da acessibilidade. E este é um grande diferencial”, diz Germana Pereira, sócia diretora da Tangram Cultural, empresa voltada para o mercado de cultura, artes e entretenimento, realizadora do jogo.

Desenvolvido por uma equipe multidisciplinar, a ideia da criação dos Guardiões da Justiça 1.0 surgiu a partir de uma necessidade da equipe do Memorial de ter uma ferramenta que pudesse ajudar na mediação do museu com as crianças com deficiência.

No game, o jogador deve realizar tarefas para preservar e entrar no prédio do Memorial da Justiça, onde funciona a sede dos Guardiões. Dentro dele, conhecerá personagens do cangaço, frevo, capoeira e escravidão e percorrerá os 15 níveis de cada tema, realizando atividades e desafios onde aprenderá histórias e memórias que fazem parte do patrimônio cultural brasileiro.

O prêmio, que está em sua 7ª edição, é promovido pela Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco (Secult/PE) e pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), com o objetivo de selecionar e premiar ações exemplares, voltadas à proteção e preservação do patrimônio cultural material e imaterial de Pernambuco.

Novidade em breve

No momento, a Tangram trabalha no desenvolvimento de um novo game digital, cultural e inclusivo. O projeto, intitulado TapiTapi, conta com versão trilíngue (Port/Ing/Libras) e é destinado a crianças a partir dos 8 anos de idade, propondo aos jogadores uma aventura culinária e histórica para divulgar dois patrimônios culturais brasileiros: o Sítio Histórico de Olinda e a tapioca.

O primeiro escolhido por estar em uma das cidades mais antigas do país, que teve seu centro histórico tombado pelo IPHAN em 1968, sendo declarado pela UNESCO, desde 1982, como Patrimônio Cultural da Humanidade. O segundo, a tapioca, escolhida por ser uma receita típica de Pernambuco, reconhecida como Patrimônio Imaterial e Cultural da Cidade pelo Conselho de Preservação do Sítio Histórico de Olinda. Sem falar que hoje a tapioca já rompeu fronteiras, estando presente nas mesas brasileiras, de Norte a Sul do país.

“Uma verdadeira iguaria, símbolo cultural gastronômico de Pernambuco, que merece ser reverenciada, divulgada e preservada”, afirma Germana.

Da assessoria

COMENTÁRIOS dos leitores