Apple ameaçou excluir aplicativo do Uber da App Store

Uber diz que usava uma tática considerada proibida pela Apple para evitar fraudadores

por Nathália Guimarães seg, 24/04/2017 - 10:55
Pedro Oliveira/LeiaJáImagens A Apple evita que os desenvolvedores identifiquem iPhones específicos por razões de privacidade Pedro Oliveira/LeiaJáImagens

O CEO da Apple, Tim Cook, ameaçou excluir o aplicativo Uber da App Store, ao descobrir que a empresa de compartilhamento de viagens usava secretamente uma tática para identificar iPhones mesmo que o serviço tivesse sido excluído dos aparelhos - uma violação considerada grave pelos termos da Apple. O caso aconteceu em 2015, mas só veio à tona no domingo (23). As informações são do jornal americano The New York Times.

Em um artigo que descreve o CEO do Uber, Travis Kalanick, como um líder que está disposto a quebrar regras para alcançar seus objetivos, mesmo que isso signifique afrontar uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, o jornal americano diz que esta tática levou à ascensão rápida do Uber na China.

O artigo descreve como Uber enfrentou problemas com a fraude de contas enquanto estava tentando se expandir para a China, e criou uma maneira de identificar um iPhone individual, mesmo depois que seu aplicativo fosse excluído do telefone ou se o aparelho fosse restaurado de fábrica. A prática, chamada fingerprinting, é proibida pela Apple.

A empresa chegou até mesmo a adicionar um código ao seu aplicativo para que qualquer usuário que o abrisse dentro da sede da Apple, em Cupertino (EUA), não conseguisse descobrir a tática. Apesar destes esforços, a fabricante do iPhone flagrou a atividade, e prontamente o CEO Tim Cook ameaçou o Uber, informando que o aplicativo seria removido da App Store caso continuasse com a prática.

A Apple evita que os desenvolvedores identifiquem iPhones específicos por razões de privacidade. O Uber, por outro lado, queria evitar um tipo particular de golpe da China, onde fraudadores usam cartões de créditos roubados para realizar viagens no Uber antes de restaurar completamente o telefone para repetir o processo.

Em uma declaração, o Uber disse que esta é uma maneira típica de evitar que os fraudadores. "Técnicas similares também são usadas para detectar e bloquear logins suspeitos para proteger as contas de nossos usuários", informou o Uber, em comunicado.

O Uber tem enfrentado pressão nos últimos meses, após surgirem revelações de que a empresa usou programas secretos para fugir dos reguladores governamentais, rastreou clientes sem permissão e está sendo processada por roubo de informações confidenciais de carros autônomos da Alphabet, dona do Google.

LeiaJá também

--> Tribunal suspende proibição do Uber na Itália

--> Uber pode ser obrigado a adicionar botão de gorjeta no app

COMENTÁRIOS dos leitores