Ex-deputado Wladimir Costa é preso por ofender deputada na internet

O ex-parlamentar foi preso pela Polícia Federal ao desembarcar no aeroporto de Belém, na manhã desta quinta (18)

Ex-deputado Wladimir Costa é preso por ofender deputada na internet

O ex-deputado federal Wladimir Costa. Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Conhecido por soltar confetes ao votar pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-deputado Wladimir Costa foi preso, nesta quinta (18), pela Polícia Federal (PF). A prisão ocorreu no aeroporto do Belém, no Pará, após ele desembarcar de um voo.

De acordo com a investigação da PF, Wladimir Costa teria feito ofensas à deputada Renilce Nicodemos (MDB) nas redes sociais e exposto sua intimidade.

Em nota, a PF destacou que a prisão preventiva foi deferida em razão da prática reiterada, entre outros, dos crimes eleitorais de violência política praticados contra deputada federal por meio das redes sociais. O Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) também ordenou a exclusão das postagens em redes sociais que motivaram o mandado de prisão.

Em janeiro do ano passado, o ex-parlamentar já havia sido condenado por ofender artistas como Glória Pires, Sônia Braga, Letícia Sabatella e Wagner Moura nas redes sociais. Entretanto, a sentença liberou que a pena de nove meses ocorresse em regime aberto.

Em 2016, pouco após a sessão em que a Câmara decidiu afastar Dilma Rousseff, Wladimir Costa teve o mandato cassado pelo TRE-PA. Na época, a corte julgou que sua campanha eleitoral recebeu arrecadação ilícita. A Justiça também identificou gastos de R$ 410.800 mil que não foram registrados na prestação de contas da campanha de 2014.

Entre as polêmicas do ex-deputado, ele apareceu em uma manifestação, em 2017, com uma tatuagem no ombro com o nome de Michel Temer e uma bandeira do Brasil.