Valdemar Costa Neto quer ajuda de aliados para rifar pepita de ouro, diz coluna

Objeto foi apreendido pela Polícia Federal em fevereiro e tem origem no garimpo ilegal

Valdemar Costa Neto quer ajuda de aliados para rifar pepita de ouro, diz coluna

Valdemar Costa Neto teve pepita de ouro ilegal apreendida pela PF. Fotos: Valter Campanato/Agência Brasil e Reprodução/PF

O presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, está em busca do apoio de parlamentares aliados e de uma “entidade séria” para rifar uma pepita de ouro. O objeto está sob tutela da Polícia Federal (PF) desde a apreensão, em fevereiro deste ano, pela operação Tempus Veritatis. De acordo com a colunista Andréia Sadi, do G1, o objetivo do ex-deputado é vender a peça bruta em uma rifa beneficente. O laudo policial aponta que a pepita tem 39 gramas, aproximadamente 91,76% de ouro puro e vale cerca de R$ 11,6 mil.

Os agentes encontraram a quantidade de ouro durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão. O endereço foi um quarto do hotel Meliá em Brasília, onde reside Valdemar Costa Neto. Desde então, passaram a apurar a origem do minério, que é uma extração do garimpo ilegal. Para chegar nessa conclusão, a PF considerou a quantidade de ouro puro e a ausência de processamento da pedra.

Em nota, a defesa de Costa Neto argumentou que o material “tem baixo valor e não configura delito segundo a própria jurisprudência”. Agora, os advogados tentam viabilizar a devolução da pepita de ouro através do Supremo Tribunal Federal (STF).