Dona Anita, primeira prefeita de PE tem nome aprovado para integrar livro dos heróis

O nome de Dona Anita foi aprovado pela Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Assembleia Legislativa, por unanimidade, nesta terça-feira (27), para integrar o Livro do Panteão dos Heróis e das Heroínas de Pernambuco – Fernando Santa Cruz. O projeto é de autoria do presidente da comissão, deputado Antônio Moraes, que prevê a […]

Dona Anita, primeira prefeita de PE tem nome aprovado para integrar livro dos heróis

Dona Anita FOTO: Divulgação

O nome de Dona Anita foi aprovado pela Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Assembleia Legislativa, por unanimidade, nesta terça-feira (27), para integrar o Livro do Panteão dos Heróis e das Heroínas de Pernambuco – Fernando Santa Cruz.

O projeto é de autoria do presidente da comissão, deputado Antônio Moraes, que prevê a inscrição do nome da ex-prefeita de Macaparana, Ana de Moraes Andrade – conhecida como dona Anita. Previsto na Constituição Estadual, o livro promove o registro perpétuo de pessoas cuja bravura tenha contribuído com a formação da identidade pernambucana, a defesa dos direitos humanos e a luta por democracia e justiça social.

Livro

Ademais, o livro já conta com diversas figuras que fizeram história em Pernambuco, como o ex-governador Miguel Arraes, a líder revolucionária Bárbara de Alencar, o ex-deputado Gregório Bezerra, o ex-arcebispo de Olinda e Recife Dom Helder Câmara e o músico Dominguinhos, entre outros. Neto da homenageada e autor da proposta aprovada na CCLJ – que deverá ser votada agora pelo plenário da Assembleia – Antônio Moraes ressaltou que sua avó iniciou a carreira política em 1946, como vereadora eleita em Macaparana, no primeiro pleito em que foi permitido às mulheres disputarem um mandato eletivo.

Trajetória de Dona Anita

Dona Anita renovou o mandato por mais quatro vezes, presidindo a Câmara Municipal em dois deles. Em 1953, ela se tornou a primeira mulher prefeita em Pernambuco, e a segunda no Brasil. “Se hoje ainda é difícil para as mulheres concorrerem na política, imagine naquela época ter uma mulher no comando de uma câmara de vereadores ou numa prefeitura, ainda mais numa cidade pequena do interior de Pernambuco”, observa Moraes.

Além disso, Matriarca de uma família de vários políticos importantes, a exemplo do ex-governador Jarbas Vasconcelos – além de vários parlamentares e ex-parlamentares – dona Anita sempre defendeu a participação efetiva das mulheres na política. Em sua biografia, escreveu: “Os homens que me desculpem, mas quando a mulher decide entrar na política, mostra uma postura mais severa e de mais coragem, e isso é muito importante quando se governa”.

Antônio Moraes comentou ainda a preocupação social da sua avó com a população de Macaparana e região. Moradora de uma casa grande, ela separou dois quartos e os transformou numa sala de parto e numa sala de aula.

Essas duas unidades, depois, deram origem à Casa de Saúde Santo Antônio – com 38 leitos para parturientes da região – e na Escola Estadual Brigadeiro Eduardo Gomes, ainda em atividade e atendendo hoje a mail de mil alunos em Macaparana. Mas o deputado lembrou também o fato de Dona Anita ser madrinha de mais de mil e quinhentas crianças da região.

“Anita Moraes foi uma mulher que viveu bem à frente do seu tempo. Propusemos a inclusão do seu nome no Panteão para que ela continue sendo lembrada e servindo de exemplo para as mulheres pernambucanas”, concluiu o deputado.

*Da assessoria