Lula chama Janja de ‘farol’ e a elogia pelo olhar político

Presidente afirma que primeira-dama ‘vive política 24h por dia’ e que faz cobranças sobre a participação de mulheres no governo

Lula chama Janja de ‘farol’ e a elogia pelo olhar político

Em entrevista à Rádio Metrópole da Bahia, na manhã desta terça-feira (23), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não poupou elogios ao olhar político da sua esposa, a primeira-dama Rosângela da Silva, Janja. Segundo ele, a socióloga, que é criticada por governistas e opositores pelo seu envolvimento político, é uma espécie de “farol” que o guia para decisões e observações importantes, e ela ainda costuma notar erros que nem ele, nem sua assessoria, conseguem sempre perceber.

“A Janja é o meu farol, aquele farol que guia. Quando tem coisa errada, ela me chama a atenção. Quando tem alguma coisa no jornal errada, ela me chama a atenção. Quando tem coisa na rede, ela me chama a atenção. Às vezes ela fala [alguma] coisa para mim que a minha assessoria não fala. E isso, obviamente, me ajuda”, disse o presidente.

Militante desde os 17 anos, quando se filiou ao Partido dos Trabalhadores em 1983, Janja é conhecida por ter interesse em política e pelo seu envolvimento com causas ambientais e de gênero. Segundo Lula, a esposa “vive a política 24h por dia” e o cobra com insistência sobre a participação de mulheres no governo.

“Você não tem noção como ela me cobra quando o [fotógrafo Ricardo Stuckert] Stuckinha tira uma fotografia minha e que só tem homem. Quando ela vê a foto ela fica horrorizada. ‘Você não tinha mulher para colocar na foto? Por que só homem, só homem, só homem?’ E, às vezes, a maioria é homem mesmo, fazer o quê?”, afirmou o petista.

Janja possui um perfil bem diferente de sua antecessora, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL), que se dedicava a um projeto social no Alvorada, mas não costumava participar das decisões do marido, Jair Bolsonaro (PL) – o que mudou drasticamente com a derrota de Jair nas urnas; após isso, Michelle assumiu a liderança do braço feminino do PL, o PL Mulher, e tem viajado pelo país para fortalecer campos da direita. Desde a campanha de Lula, Janja falou que ressignificaria o papel de primeira-dama, historicamente voltado ao trabalho voluntário, mas nunca citou Michelle ou qualquer outro nome.