Queiroga critica Lula por liberar ozonioterapia

Ele lembrou que durante a sua gestão da pasta, diferente do que aconteceu com Lula, Bolsonaro atendeu aos vetos sugeridos pelo chefe da pasta

Queiroga critica Lula por liberar ozonioterapia

O ex-ministro da Saúde do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Marcelo Queiroga, disse que a sanção da ozonioterapia feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi “inadequada para um processo que “não tem a menor evidência científica”.

“Qual a evidência científica que há da ozonioterapia? Leis para instituir tratamentos, sob a nossa ótica, não é adequado. Eu jamais recomendaria a sanção de uma lei dessa natureza”, disse.

Ele lembrou que durante a sua gestão da pasta, diferente do que aconteceu com Lula, Bolsonaro atendeu aos vetos sugeridos pelo chefe da pasta. “Para essa gente, são dois pesos e duas medidas”, afirmou.

Ele também criticou os ataques do presidente à gestão da Saúde durante o governo Bolsonaro. “Falaram que sequestraram o Zé Gotinha. Nós fizemos a família gotinha”, afirmou. Segundo ele, Lula veio para “destruir tudo de bom” que foi feito no governo Bolsonaro.

Queiroga esteve na biblioteca do Senado na noite desta quarta-feira (9) para o lançamento do livro Queiroga: o homem, o médico e a pandemia. O livro, de quase 400 páginas conta a trajetória dele no comando do ministério da saúde enquanto o Brasil enfrentava a pandemia de Covid-19.

“Sou o primeiro ministro da Saúde que saiu de um plantão noturno para assumir o comando da pasta”, disse. A ex-primeira-dama, Michelle Bolsonaro, prestigiou o evento assim como ex-ministros do governo Bolsonaro e senadores bolsonaristas. Estiveram, entre eles, Sérgio Moro, Walter Braga Netto, João Roma, Tereza Cristina e Damares Alves.

“Ele escreveu aqui: Para a ministra mais bonita do Brasil”, brincou Damares sobre a dedicatória escrita por Queiroga no exemplar do livro dela.

O prefácio da obra é escrito por Bolsonaro. “Fizemos a maior campanha de vacinação do mundo, e só não tomou a vacina quem não quis”, escreveu. “Queiroga seguiu minha diretriz em assegurar que as pessoas não fossem forçadas a se vacinar. Ele cumpriu tão fielmente que jamais interveio na minha escolha”.

Queiroga afirma que seguirá caminho na política. Para o futuro, citou o ex-senador paraibano Ruy Carneiro, morto em 1977. “O plano na política quem decide é o povo”, afirmou.