Fala de Zema sobre ‘vista grossa’ de governo gera reação

Os parlamentares petistas pedem que o governador esclareça, em um prazo de 48 horas, as declarações

Fala de Zema sobre ‘vista grossa’ de governo gera reação

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), reforçou seu movimento de oposição ao governo de Luiz Inácio Lula Silva ao sugerir que a gestão petista fez “vista grossa” durante os ataques às sedes dos três Poderes, no último dia 8, para “posar de vítima”. A declaração gerou um embate com petistas, que ontem acionaram o Superior Tribunal de Justiça (STJ) cobrando explicações do governador.

A frase de Zema foi dita nessa segunda (16), em entrevista à rádio Gaúcha. Ele condenou a invasão e depredação do Congresso, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal (STF), mas criticou a conduta do governo federal. “Me parece que houve um erro da direita radical e houve um erro, talvez até proposital, do governo federal, que fez vista grossa para que o pior acontecesse e ele se fizesse posteriormente de vítima”, disse o mineiro.

Nesta terça (17), os deputados Reginaldo Lopes (PT-MG), atual líder do partido na Câmara, e Zeca Dirceu (PT-PR), que assumirá o posto na próxima legislatura, em 1.º de fevereiro, ingressaram com uma ação contra Zema no STJ. Os parlamentares petistas pedem que o governador esclareça, em um prazo de 48 horas, as declarações.

“Trata-se de uma afirmação torpe, reprovável, caluniosa, incompatível com a dignidade e estatura de quem governa um dos mais importantes Estados da Federação, na medida em que tenta responsabilizar as próprias vítimas do ataque”, afirma nota dos petistas. Procurado, o governador de Minas não quis comentar.

Distanciamento

Na semana passada, Zema decidiu de última hora comparecer à reunião de chefes dos Executivos estaduais com Lula, em Brasília. No encontro, evitou imagens com o presidente da República, antecipando o posicionamento que pretende reforçar em seu segundo mandato à frente do Estado: o de opositor a Lula e ao PT.

Para analistas ouvidos pelo Estadão, o mineiro terá de fazer movimentos para se firmar como um nome da direita. “Com a derrota de Jair Bolsonaro, Zema perdeu um grande aliado e vai precisar de tempo para se encontrar como oposição”, disse o professor de Ciências Políticas da UFMG Cristiano Rodrigues. “Zema terá de se firmar como um político de direita, que se opõe a Lula, sem abraçar o bolsonarismo.”

Na avaliação do pesquisador Arthur Thury Vieira Fisch, do Centro de Estudos de Política e Economia do Setor Público, da FGV, o mineiro tem condições de disputar com o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), o protagonismo da oposição ao petista nos Estados. “Acredito que Zema tenha mais chances de liderar uma oposição não bolsonarista ao governo Lula do que Tarcísio”, declarou Fisch.

“Tarcísio e Zema comandam dois Estados importantes e são identificados com a direita. Tarcísio, embora esteja em um partido mais relevante, a sigla apoiou governos petistas, e seu governo está muito próximo do PSD, liderado por (Gilberto) Kassab, que tem ministros no governo Lula”, avaliou o pesquisador da FGV.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.