Senadores cobram indicados à ANP sobre crise do petróleo

Os quatro nomes foram aprovados à diretoria da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e as indicações seguem para o Plenário

qua, 06/04/2022 - 15:33
Pedro França/Agência Senado Claudio Jorge Martins de Souza durante sua sabatina para vaga à ANP Pedro França/Agência Senado

O futuro do setor do petróleo no país foi o tema dominante das sabatinas de quatro indicados para a diretoria da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado, nesta quarta-feira (6).

Os quatro nomes foram aprovados e as indicações seguem para o Plenário.  Os aprovados foram:  Cláudio Jorge Martins de Souza, para a vaga de Felipe Kury. Relator: senador Eduardo Gomes (PL-TO). Daniel Maia Vieira, para vaga de diretor, para a vaga de José Cesário Cecchi. Relator: senador Izalci Lucas (PSDB-DF). Fernando Wandscheer de Moura Alves, para a vaga de Dirceu Cardoso Amorelli Junior. Relator: senador Carlos Viana (PL-MG). Symone Christine de Santana Araújo, reconduzida (tomou posse em novembro de 2020, completando o mandato do antecessor, Aurélio Amaral, e por isso a recondução não é considerada vedada). Relator: senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO). Os três primeiros foram aprovados com 19 votos a favor e nenhum contrário Symone Araújo, com 18 a favor e 1 contrário. 

Transição energética Duas questões debatidas durante a sabatina foram a alta recente dos combustíveis, provocada por fatores externos, como a guerra na Ucrânia, e internos, como a política de preços da Petrobras; e a transição para uma matriz energética mais "limpa", para conter as mudanças climáticas. 

"Oitavo produtor mundial de petróleo, o Brasil tem potencial para se tornar o quinto maior, ocupando posição estratégica como um grande fornecedor e contribuindo de maneira significativa para a transição energética. É importante que a gente não demonize o [combustível] fóssil, porque ele vai de certa forma financiar a transição para energias renováveis", afirmou Fernando Wandscheer Alves, atual secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente. 

Desafio O senador Marcos Rogério (PL-RO) louvou o currículo dos indicados e lembrou o "desafio gigante" que eles terão, diante da crise dos combustíveis: "Quem conta com a atuação de vocês, técnica, mas com visão social também, são os brasileiros, que sofrem muito", alertou. 

Indicada à recondução para a diretoria da ANP, Symone Araújo ressaltou a importância do trabalho que a agência já vem desempenhando: "Podemos afirmar a presença da ANP, cumprindo seu papel de defesa do consumidor. A ANP está se reinventando e ainda há muito a fazer". 

Antes de votar, o senador Jean Paul Prates (PT-RN) inquiriu os sabatinados. Perguntou a Daniel Vieira sobre um possível conflito de interesse, por ser concunhado de um filho de Aroldo Cedraz, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). 

"Não tenho nada a esconder. Isso já me prejudicou demais na carreira. Respondo com a tranquilidade de quem é um simples servidor deste país", respondeu o indicado, auditor do TCU desde 2008, referindo-se a notícias sobre o suposto conflito de interesse, divulgadas pela imprensa anos atrás. 

Jean Paul elogiou a resposta e se declarou satisfeito com o compromisso de isenção e transparência feito pelo indicado. 

*Da Agência Senado

COMENTÁRIOS dos leitores