Ministro teria priorizado religiosos a pedido de Bolsonaro

Em áudio de reunião com prefeitos, Milton Ribeiro fala sobre pedidos de apoio para construção de igrejas, diz jornal

ter, 22/03/2022 - 10:34
Alan Santos/PR Ministro da Educação, Milton Ribeiro, durante culto Alan Santos/PR

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse em mensagem de áudio que prioriza os pedidos de pastores próximos ao Governo Federal a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL). Desde a última semana, circula a informação de que os pastores evangélicos Gilmar Silva dos Santos e Arilton Moura Correia obtiveram acesso privilegiado ao governo e que desembolsaram verbas bilionárias da Educação para a construção de escolas e projetos religiosos.

Nesta terça-feira (22), o jornal Folha de São Paulo fez um desdobramento do assunto e revelou gravações em áudio de Ribeiro falando que atendeu a um pedido do mandatário. Os “pastores do MEC” fazem parte do esquema informal de obtenção de verbas do Ministério, ainda que não possuam cargo na pasta.

"Foi um pedido especial que o presidente da República fez para mim sobre a questão do [pastor] Gilmar", diz o ministro na conversa em que participaram prefeitos e os dois religiosos.

Embed:

Ainda de acordo com a Folha, os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura têm, ao menos desde janeiro de 2021, negociado com prefeituras a liberação de recursos federais para obras de creches, escolas, quadras ou para compra de equipamentos de tecnologia. Os recursos são geridos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do MEC controlado por políticos do Centrão.

Na reunião dentro do MEC, Ribeiro falava sobre o orçamento da pasta, cortes de recursos da educação e a liberação de dinheiro para essas obras na presença de prefeitos, lideranças do FNDE e dos pastores Gilmar e Arilton.

"Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar", diz o ministro na conversa. Milton Ribeiro também indica haver uma contrapartida à liberação de recursos da pasta. "Então o apoio que a gente pede não é segredo, isso pode ser [inaudível] é apoio sobre construção das igrejas".

-- > LeiaJá também: Vínculo de religiosos com governo é anterior a Milton