João Doria terá encontro com Sérgio Moro sobre 2022

Confirmado como presidenciável, governador acredita que momento é de "união", e que deve dialogar com outras lideranças políticas no futuro

por Vitória Silva seg, 29/11/2021 - 15:06
Júlio Gomes/LeiaJá Imagens O governador João Doria em evento no Porto Digital do Recife Júlio Gomes/LeiaJá Imagens

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pré-candidato à presidência da República em 2022, disse que terá um encontro com o ex-juiz Sérgio Moro, que também é presidenciável pelo Podemos. A reunião deverá acontecer após a conclusão da agenda do tucano no exterior, na semana que vem. Também deve agregar à ocasião a presidente nacional do Podemos, Kátia Abreu. Para Doria, o momento é de “diálogo e união”, e serão arranjados encontros com outras lideranças políticas. 

O paulista venceu as prévias e foi escolhido, neste sábado (27), como candidato do PSDB. João Doria angariou 53,99% de aproximadamente 30 mil votos, superando Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul, com 44,66% e Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus, com 1,35%. 

Em entrevistas recentes, o governador passou a tratar uma aliança com Moro como “possível”, mas não deu mais detalhes sobre o teor da futura conversa. Doria também negou ter convidado Leite, que foi seu adversário nas prévias, para coordenar a sua campanha. 

O pré-candidato ainda cutucou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), dizendo que não terá um "posto Ipiranga" para liderar a área econômica, se referindo à forma pela qual Jair Bolsonaro (sem partido) chama o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em anúncio recente, disse que terá seis pessoas em sua equipe econômica. "Esse grupo será anunciado até semana que vem", afirmou Doria, confirmando apenas um nome: o do secretário da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles (PSD), que deverá disputar uma cadeira no Senado por Goiás na próxima eleição. Deverão ser três homens e três mulheres, “todos protagonistas”. 

Participaram do evento com a imprensa o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), que deve disputar a sucessão de Doria, o presidente estadual do partido, Marco Vinholi, secretário do governador, além de outras lideranças tucanas no estado. Garcia assume o governo paulista a partir de abril do ano que vem para que Doria possa disputar a eleição presidencial. 

Eduardo Leite 

O pré-candidato negou ter feito um convite para que Leite coordenasse sua campanha a presidente. Segundo Doria, o gaúcho não seria uma opção porque seu desejo é ter alguém que esteja em São Paulo. "Fisicamente, ele está no Rio Grande do Sul. Queremos um coordenador que fique próximo do candidato. Não que seja paulista, mas que esteja em São Paulo." Apesar de não contar com Leite para a coordenação, Doria quer o gaúcho na campanha. Segundo o governador, Leite terá "papel de protagonismo na campanha do PSDB". 

 

COMENTÁRIOS dos leitores