Mandetta desiste da Presidência e mira no Legislativo

Anunciado como possível presidenciável no ano que vem, ex-ministro abre mão de sua vaga na disputa através da União Brasil, que agora não possui mais postulantes cotados para 2022

por Vitória Silva qui, 25/11/2021 - 13:50
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Luiz Henrique Mandetta, médico e ex-ministro da Saúde Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) mudou de direção e deve arriscar uma vaga no Poder Legislativo em 2022, pelo estado do Mato Grosso do Sul, onde nasceu. Dessa forma, seu nome é retirado da disputa presidencial e a União Brasil, que será presidida por Luciano Bivar, presidente do PSL, fica novamente sem novos nomes cotados para as Eleições 2022. A decisão foi comunicada diretamente pelo médico à cúpula da União, que é um resultado da fusão entre DEM e PSL, e confirmada por Bivar. As informações são da CNN.

“O Mandetta declinou e pretende sair candidato para o Senado ou Câmara no Mato Grosso do Sul. Nós queremos sair com uma candidatura própria, mas não descartamos fazer composições”, disse Bivar à reportagem.

Assim, a “terceira via” promovida pelo novo partido fica mais enxuta. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o apresentador de TV, José Luiz Datena, ex-bolsonarista, eram duas das opções de presidenciáveis para a nova sigla. Os dois decidiram, porém, se filiar ao PSD. Pacheco segue como pré-candidato ao Planalto. Datena pretende tentar uma vaga no Senado. 

Ainda de acordo com Luciano Bivar, a legenda agora discute apoiar um desses três nomes da terceira via: o ex-ministro Sérgio Moro, do Podemos; o candidato do PSDB, que ainda definirá seu nome nas prévias entre os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS) e o senador Arthur Virgilio; ou o MDB, que vai lançar a pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MS). Também não está descartada uma candidatura própria, mas ainda não há indicados. 

O ex-herói da Lava Jato recém se filiou ao Podemos e desde 10 de novembro, se lançou como pré-candidato à Presidência. O advogado já aparece nas pesquisas mais recentes para o próximo ano, transitando entre a quinta e a terceira posição. Na última pesquisa da Quaest, ele era o terceiro lugar da disputa, com 8%, contra 48% de Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva e 21% de Jair Bolsonaro (sem partido). 

Dentro do União Brasil, no entanto, uma ala advoga para que a legenda não se comprometa com qualquer candidatura e libere os filiados a formar palanques regionais de acordo com seus interesses. 

COMENTÁRIOS dos leitores