‘Terceira via só vai vencer se tiver um candidato único’

Avaliação é do cientista político Luiz Felipe d'Avila se filiou ao Partido Novo e aceitou o desafio de colocar seu nome à disposição de um projeto presidencial em 2022

dom, 10/10/2021 - 08:44

O cientista político Luiz Felipe d'Avila se filiou ao Partido Novo e aceitou o desafio de colocar seu nome à disposição de um projeto presidencial em 2022. Ainda há trâmites internos a serem cumpridos e costuras políticas aguardando alinhavo, mas d'Avila, em entrevista ao Estadão, já esboça seu plano de ação e sua visão de como deve ser o País pós-Jair Bolsonaro: liberal, justo socialmente, eficiente no serviço público e vigoroso no crescimento econômico. Apesar da opção pela pré-candidatura, d'Avila entende que derrotar "o populismo" está acima de projetos pessoais e, por isso, diz estar disposto a abrir mão de uma eventual candidatura em prol de quem no próximo ano estiver melhor posicionado no centro.

O sr. está disposto a ser candidato a presidente da República?

Sim, quero ser um candidato que vá ajudar a unir o centro, não a dividir. Vamos ter que ter espírito público para, quando chegar em junho e julho, antes das convenções, o candidato que estiver liderando (entre os nomes de terceira via), receber apoio. Pretendo estar liderando, mas, se não estiver, teremos que ter espírito público para apoiar outro. Está claro que o candidato da terceira via só vai vencer se for um nome único. Se fragmentar, fica difícil. O que me anima é que o eleitor já escolheu quem ele não quer. Bolsonaro tem rejeição alta e metade dos brasileiros dizem que não querem nem Lula, nem Bolsonaro. O eleitor não sabe quem quer ainda, mas sabe quem não quer. Tem um caminho enorme para a terceira via se sedimentar.

Qual será o principal desafio da terceira via?

Os candidatos da terceira via carecem de uma narrativa de conexão com as pessoas. A política não faz sentido para quem passa dificuldade, para quem está desempregado, para quem fechou negócios. Há o desespero de um país atolado há dez anos, com recessão, volta da miséria… Você vê fotos trágicas de pessoas pegando restos de carne, ossos, a política precisa falar com essas pessoas. O que pavimentou o radicalismo político foi o discurso tecnocrata e pouco afeito às pessoas. Temos que encontrar esse tom para se conectar com as pessoas. A terceira via ganha a eleição se fizer isso.

A agenda liberal tem respostas não populistas para a crise social e econômica do Brasil?

A frustração e o desencanto com a política é símbolo do fracasso do populismo. Houve uma desilusão. Tentamos o populismo de esquerda e o de direita, mas a vida das pessoas piorou. O que as pessoas querem é alguém para construir pontes, restabelecer o diálogo e a confiança no País. O populismo não vai fazer isso, vai acirrar diferenças. A agenda econômica liberal triunfou no mundo. Até países comunistas como a China entenderam que o capitalismo é fundamental para o crescimento econômico. A inserção no comércio global é a agenda. A locomotiva que puxa os vagões, inclusive o social, é a economia. Se a agenda liberal não estiver na mesa, será uma forma de ludibriar as pessoas. Se a agenda da locomotiva é a do crescimento econômico, da renda e do emprego, o segundo vagão é o da estabilidade política, o Estado eficiente, o serviço público de qualidade. Isso traz previsibilidade e confiança. Se não, é difícil convencer investidores que as regras são estáveis e confiáveis. Temos que trabalhar na melhoria do serviço público. Como mostrar que a reforma administrativa significa melhores servidores públicos? Essa ligação falta fazer, na narrativa. O terceiro é o vagão das políticas sociais. Elas não existem sem crescimento econômico. A prioridade é a agenda liberal. Se ela for ignorada, o Brasil está perdido.

Como seriam essas políticas sociais?

A política social não é monopólio da esquerda. Tem que estar na esquerda, na direita. Gastamos 25% do PIB com programas sociais. Se pegarmos 1% e focalizar nos mais pobres, você dobra a renda deles. Não fazemos isso por causa do clientelismo. Um programa social liberal tem que ter saída.

Por que o sr. quer entrar neste ambiente político, tão cercado de desconfianças?

A experiência pelos que estão no poder hoje é que eles perpetuaram o PCC: patrimonialismo, corporativismo e clientelismo. Estamos numa armadilha... O que me dá vontade é o enorme amadurecimento da sociedade civil. A sociedade civil mobilizada aprova medidas incríveis, como a reforma previdenciária, a ficha limpa...

É possível estabelecer canais de diálogo entre diferentes segmentos da sociedade?

É o que quero fazer na campanha. Quero ouvir o brasileiro. Você pega pessoas com interesses diversos e consegue criar diálogo. O diálogo significa a capacidade de genuinamente ouvir as pessoas. Assim pautaremos a narrativa da terceira via. O que mais falta no mundo radicalizado é escutar o outro. O Piauí, do governador Wellington Dias, do PT, fez um esforço extraordinário na melhoria fiscal. Uma maravilha. Por que não vou elogiar uma política do governador do PT se foi bem feita?

Lula está à frente de Bolsonaro nas pesquisas. Por que não uma união em torno dele?

Lula tem uma rejeição gigantesca. Parte da reconstrução do Brasil é uma reconstrução moral e ética. Lula padece desse atributo fundamental para reestruturar a confiança no Brasil. Vamos lembrar na campanha que Lula é o pai de esquemas que enfraqueceram instituições e abriram caminho para o bolsonarismo.

Como fica a situação do Novo, dividido após a eleição de 2018?

Se queremos fazer uma campanha para unir o País, temos primeiro que unir o partido.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS dos leitores