Lula diz que Bolsonaro 'não cumpriu uma coisa que falou'

Lula também declarou que Bolsonaro só transmite ódio toda vez que abre a boca

ter, 27/07/2021 - 11:19
Júlio Gomes/LeiaJáImagens/Arquivo Lula em agenda no Recife Júlio Gomes/LeiaJáImagens/Arquivo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta terça-feira (27), que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não cumpriu as promessas de campanha. Em entrevista à Rádio Difusora de Goiás, Lula disse que o mandatário nacional pregou a nova política, mas está refém do Centrão, e, apesar de se colocar contra a corrupção, ainda recebe "ameaças" do ex-policial militar Fabrício Queiroz. 

"O Bolsonaro que ficava falando que ia acabar com a 'a velha política'... Qual é a nova política dele? Ficar refém do Centrão? Colocar R$ 20 bilhões no orçamento para deputado tentar se reeleger. Não cumpriu uma coisa que ele falou. Falava tanto de corrupção... Ainda ontem a noite eu vi o Queiroz ameaçando ele. Quando a denúncia de corrupção era contra o PT, você nunca viu o governo criar obstáculos para a investigação. Mas Bolsonaro não deixa os filhos dele serem investigados, o Queiroz ser investigado", disse o ex-presidente, em trecho da entrevista reproduzido no Twitter.

Lula também declarou que Bolsonaro só transmite ódio toda vez que abre a boca. "Na minha vida perdi 4 eleições. Sempre ia pra casa me preparar pra próxima... Já quem ganha tem que governar. Mas o Bolsonaro é um pregador de ódio. Só sabe transmitir ódio cada vez que abre a boca", disparou.

Na mesma entrevista, Lula falou sobre o retorno da fome ao país, os programas lançados no governo dele e declarou: "o Brasil tem jeito". 

Eleições

O líder petista ainda detalhou que está se preparando para caso seja escolhido como o candidato do PT à Presidência em 2022. "Eu levanto todo dia 5h da manhã pra fazer minha ginástica. Me preparo todo dia porque quero chegar inteiraço na eleição e partir pro ataque para defender o Brasil", enfatizou. 

Quanto à eventual escolha de um vice, Lula disse: "Um candidato a vice precisa ser parceiro. De confiança. Se eu for candidato, quero um vice que dê complementariedade nas funções do governo. Quero um vice atuante. E que seja uma pessoa que eu gosto, que eu vá dormir tranquilo. Sabendo que ele também vai cuidar do país."

COMENTÁRIOS dos leitores