Lula diz para o povo ignorar Bolsonaro e tomar vacina

'Quero fazer propaganda para o povo brasileiro: não siga nenhuma decisão imbecil do presidente da República ou do Ministro da Saúde', disse o ex-presidente

qua, 10/03/2021 - 13:25
MIGUEL SCHINCARIOL / AFP Lula durante entrevista coletiva no dia 10 de março de 2021 MIGUEL SCHINCARIOL / AFP

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que quer tomar logo a vacina contra a Covid-19, independentemente de sua origem. Lula disse que vai pedir ao povo brasileiro para não seguir nenhuma "decisão imbecil" do presidente Jair Bolsonaro.

"Eu tenho 75 anos de idade. Eu falo brincando que tenho energia de 30 e tesão de 20. Eu acho que é por isso que não tomei vacina ainda, porque o pessoal não se é 30, se é 20 ou 75 [...] Na semana que vem, se Deus quiser, vou tomar a minha vacina. Não importa de que país, não importa se é duas ou uma só. Quero fazer propaganda para o povo brasileiro: não siga nenhuma decisão imbecil do presidente da República ou do Ministro da Saúde. Tome vacina", disparou.

As críticas ao governo de Jair Bolsonaro, principalmente no combate à covid-19, não pararam por aí.

"Se o Brasil tivesse um presidente que se respeitasse e respeitasse o povo brasileiro, a primeira coisa que teria feito em março do ano passado era criar um comitê de crise envolvendo seu ministro da saúde, secretário da saúde dos estados, cientistas e toda a semana orientar a sociedade brasileira do que fazer. Era preciso priorizar dinheiro e comprar as vacinas que pudessem comprar em qualquer lugar do planeta terra porque nós tivemos momentos que teve vacina que a gente se quer aceitou. A própria Pfizer tentou oferecer vacina e a gente não quis porque nós tínhamos um presidente que inventou uma tal de cloroquina, que falava que quem tem medo do Covid era maricas, que o Covid era uma gripezinha, que era coisa de covarde, que ele era ex-atleta e que, portanto, ele não ia pegar. Esse não é o papel no mundo civilizado de um presidente da República", disse Lula.

O ex-presidente ainda usou parte do tempo do pronunciamento para desqualificar a carreira de Bolsonaro.

"Ele não sabe o que é ser um presidente da República. Ele a vida inteira não foi nada. Ele não foi nem capitão. Ele era tenente e foi promovido porque se aposentou e, se aposentou porque queria explodir quartel porque ele virou um dirigente sindical de soldado, queria aumento de salário. Depois que se aposentou, ele nunca mais fez nada na vida. Ele foi vereador e deputado e, durante 32 anos exerceu o mandato e conseguiu passar para a sociedade a ideia de que ele não era político", criticou.

Da Redação, com Agência Estado

COMENTÁRIOS dos leitores