Bolsonaro tem três dias para explicar mudança na Petrobras

O presidente anúnciou a saída de Roberto Castello Branco da direção e escolheu o general Joaquim Luna e Silva para ocupar o posto

por César Lui ter, 23/02/2021 - 09:31
Flickr/Palácio do Planalto Flickr/Palácio do Planalto

A Justiça Federal de Minas Gerais analisou uma ação popular e determinou que o presidente Jair Bolsonaro e a Petrobras têm 72 horas para explicar os motivos que ocasionaram as últimas mudanças na estatal. Na última sexta-feira (19), o presidente anunciou a troca do comando da petroleira, retirando da direção Roberto Castello Branco e passando a bandeira para o general Joaquim Luna e Silva.

A decisão gerou grande repercussão no mercado e influenciou nas ações da empresa. No pregão da bolsa, em São Paulo, nessa segunda (22), os papéis preferenciais da estatal desabaram 21,5%, enquanto as ações ordinárias despencaram 20,5%. O Ibovespa caiu 4,9%.

Na ação popular, dois advogados pedem que a Justiça dê uma liminar para barrar a troca na direção da Petrobras. O juiz federal André Prado de Vasconcelos decidiu que, antes de julgar o pedido, quer ouvir as partes envolvidas e estabeleceu o prazo para a manifestação.

O juiz André Padro de Vasconcelos disse: "Por oportuno, destaco que, conforme amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, a aprovação do indicado para a presidência da Petrobras depende de deliberação do respectivo Conselho de Administração, ainda não ocorrida. Assim, intimem-se os réus tão-somente para manifestação, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, sobre o pedido de liminar, articulando, de forma concisa e objetiva, as razões e argumentos que entender pertinentes e relevantes à discussão da causa”.

COMENTÁRIOS dos leitores