Tabata critica criação de novas escolas cívico-militares

A deputada federal pelo PDT disse que não há pesquisas que apontem a contribuição dessas escolas para o aprendizado e inclusão dos alunos

ter, 23/07/2019 - 16:27
Reprodução/Facebook/Tabata Amaral Tabata Amaral é deputada federal pelo PDT de São Paulo Reprodução/Facebook/Tabata Amaral

A deputada federal Tabata Amaral (PDT) criticou nesta terça-feira (23) o investimento do Governo Federal em novas escolas cívico-militares no Brasil. Através de seu perfil no Twitter, a parlamentar disse acreditar que este não é o momento.

“Em um dos momentos econômicos mais difíceis do país, que vem atingindo especialmente a educação, o governo anunciou recentemente que pretende abrir 108 novas escolas cívico-militares até 2023, com um custo de R$ 40 milhões por ano”, informou Tabata. 

A crítica de Tabata se baseia no fato de que não há constatações de que essas escolas atinjam objetivos. “Não há pesquisas que mostrem que essas escolas contribuem de fato para o aprendizado e a inclusão dos alunos. Além disso, é um gasto que contradiz o discurso de austeridade e políticas baseadas em evidências do governo”, complementou.

Tabata Amaral virou alvo de comentários na Câmara Federal após ter ido na contramão da orientação do seu partido e ter votado de forma favorável ao texto-base do projeto de reforma da Previdência. A deputada, no entanto, assegurou que o seu voto à reforma não era um voto em favor do governo.

“O MEC continua baseando suas decisões em critérios ideológicos e, enquanto isso, nossos jovens vão saindo do ensino médio sem chances iguais no vestibular, no mercado de trabalho e na vida” finalizou. 

COMENTÁRIOS dos leitores