Lula diz que Temer comprou deputados por R$ 14 bilhões

Em Penedo (AL), ex-presidente foi recepcionado por Renan Calheiros, um dos 61 senadores que votaram favoráveis ao Impeachment de Dilma

ter, 22/08/2017 - 22:02
Ricardo Stuckert Lula atravessando de Sergipe para Alagoas através do São Francisco Ricardo Stuckert

Após atravessar o rio São Francisco de barco, o ex-presidente Lula chegou em Penedo (AL). Lula voltou a fazer fortes críticas ao governo de Michel Temer. “O tempo que eu tiver eu vou estar ao lado do povo, tentando derrubar esses golpistas que tomaram o poder sem nenhum voto”, disse ele.

Para Lula, o essencial em um governo é olhar para o povo mais pobre, coisa que o "governo golpista" não sabe fazer. “Não é possível governar só olhando estatística do Banco Central, cortar, cortar, cortar”, disse ele. “Pra que a gente quer um presidente da República que não sabe governar, só sabe vender as coisas que o Brasil tem?”, questionou Lula.

“Eu quero conversar com o povo para saber porque esse país tava tão bom e porque piorou tanto”, disse. “Porque criamos 22 milhões de empregos com carteira assinada e agora tem 14 milhões de desempregados?”, perguntou.

Lula também criticou a reforma da previdência. Para ele, o governo quer jogar toda a culpa do déficit da previdência nos mais pobres. O ex-presidente recordou que de 2004 a 2014, a previdência apresentou 10 anos de superávit. “Quando a economia cresce, o salário cresce, a previdência cresce”, disse ele. “E quando a economia cai, o salário cai, a previdência cai”, afirmou.

“Se o Temer não sabe que o povo pobre desse país movimenta a economia de um pequena cidade com o dinheiro da aposentadoria, ele deve saber que o dinheiro que gasta com aposentadoria rural é menos que os R$ 14 bilhoes que ele gastou pra comprar deputado para votar contra a denúncia dele”, afirmou Lula.

Para Lula, a elite não quer que ele seja candidato.”Se eu puder ser candidato, eu vou ser candidato pra ganhar eleições, e se eu ganhar as eleições, eu vou provar para eles como a gente vai cuidar desse pais, como vai cuidar do povo, como vai investir em educação, vai investir em saúde”, disse.

Lula falou sobre as acusações de corrupção que pesam contra ele. “O dia que eles provarem um erro meu, eu terei coragem de vir para a praça de Penedo pedir desculpas ao povo brasileiro. Porque se eu não tinha coragem de mentir para a minha mãe, eu não terei de coragem de mentir para o meu povo”, disse ele.

Reprodução/FacebookJunto com o PMDB em Alagoas

O senador Renan Calheiros e o governador de Alagoas, Renan Filho, encontraram com Lula em Penedo. “O governo do Lula é um governo do povo, para o povo, e o Brasil viu o seu resultado diferente desse governo de agora com o qual não podemos concordar. (Um governo) Que vai ampliar esse rombo para R$ 170 bilhões, enquanto corta recursos do programa Bolsa Família”, disse Calheiros.

“Nós observamos as pessoas mais pobres consumirem mais em suas cidades. O cidadão passou a ter direito a ter um salário mínimo decente. O cidadão passou a ter direito de ir à farmácia com regularidade. O governo investiu em quem mais precisa. Alagoas, esse estado pequenininho, mas valente, que tem a maior interiorização da Universidade Federal e ainda vai acontecer muita coisa boa por aqui”, afirmou Renan Filho.

Repercussão internacional

Uma reportagem publicada no jornal The New York Times classificou Lula como o político mais popular do país. A reportagem, da agência Reuters, também fala sobre a receptividade que o ex-presidente tem encontrado durante a sua caravana pelo nordeste. “Milhões de brasileiros deixaram a pobreza durante o seu governo. Ele ainda é o líder mais popular do Brasil”, diz o texto.

A matéria relata as constantes paradas do ônibus, quando a população fecha a estrada para recepcionar o ex-presidente. O texto também aborda a ampla rejeição ao Michel Temer (PMDB) e aponta que Lula tem criticado as políticas de austeridade do presidente.

A reportagem também lembra que Lula lidera as pesquisas de opinião sobre as eleições de 2018. “Multidões apaixonadas continuam indo ouvir os discursos do primeiro presidente da classe trabalhadora no Brasil, vestindo as camisetas do Partido dos Trabalhadores e cantando ‘Lula, nós não vamos te abandonar'”, descreve o jornal.

Com informações da Agência PT

COMENTÁRIOS dos leitores