MST retoma ocupações em Pernambuco; ações envolvem terrenos de Embrapa e Codevasf

Movimento ocupou, apenas nesta segunda-feira (15), propriedades em sete localidades do estado

MST retoma ocupações em Pernambuco; ações envolvem terrenos de Embrapa e Codevasf

MST Pernambuco ocupa propriedade da Embrapa Semiárido, em Petrolina. Foto: Divulgação/MST-PE

O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) em Pernambuco voltou a ocupar terrenos no estado. A nova leva de ocupações acontece em função da jornada nacional de lutas em defesa da reforma agrária e pelos 40 anos da organização, que foi criada em 1984. A movimentação inclui a reocupação da Embrapa Semiárido, instituto em Petrolina, no Sertão pernambucano. Na mesma cidade, o grupo ocupou uma área de propriedade da Companha de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), também sob uso da Embrapa.

No ano passado, o MST já havia ocupado os terrenos da Embrapa, em Petrolina, duas vezes, em abril e julho. A área pertence ao Campo Experimental de Caatinga do instituto de pesquisa. De acordo com o MST, a primeira propriedade da Embrapa tem 500 hectares; lá, agora vivem 1.100 famílias. O segundo terreno, concedido à Codevasf, tem aproximadamente 2.500 hectares e foi ocupado por 1.316 famílias, totalizando 2.416 famílias vinculadas ao MST no Vale São Francisco.

A administração regional do Vale São Francisco e Lagoa Grande “decidiu coletivamente pela ocupação e reocupação das terras públicas da Codevasf/Embrapa como estratégia pressionar do governo federal para o cumprimento dos acordos firmados em abril de 2023 com as famílias acampadas”, informa o MST.

Reivindicações do MST Pernambuco

Ainda segundo o MST, as famílias pedem pela criação definitiva da Superinteligência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) Petrolina. Além disso, pedem a desapropriação de terras improdutivas e ações de incentivo à agricultura familiar e assistência social nos assentamentos.

Balanço de ocupações

O LeiaJá entrou em contato com o MST Pernambuco para obter o balanço total de ocupações neste mês de abril pela jornada nacional. Através de comunicados, foi possível mapear ocupações em sete localidades, apenas nesta segunda-feira (15).

  • Propriedade da Codevasf/Embrapa em Petrolina (2.500 hectares);
  • Propriedade da Embrapa em Petrolina (500 hectares);
  • Propriedades em Itamaracá – Lavandeira e Acidino (aproximadamente 500 hectares);
  • Fazenda Ceará no município de Inajá (8 mil hectares);
  • Complexo de áreas da Fazenda Soledad em Glória do Goitá e Passira (extensão não informada).