Segurança no Carnaval: o que levar, fazer e não fazer durante a folia

Para ajudar o folião que enfrentará dias consecutivos de festa esta semana, o LeiaJá separou dicas de segurança para um período momesco mais tranquilo

Segurança no Carnaval: o que levar, fazer e não fazer durante a folia

Carnaval de rua de Olinda, no Grande Recife. Foto: Júlio Gomes/LeiaJá/Arquivo

Maior festa popular do Brasil, o Carnaval reúne, anualmente, multidões pelas ruas de centenas de cidades ao redor do país. Por possuir grande aderência da população e acontecer no pico do verão brasileiro, a celebração mistura temperaturas altas, aglomerações e cenários propícios para diferentes perigos, sejam de saúde, como desidratação e insolações; ou de segurança pessoal e pública. Para ajudar o folião que enfrentará dias consecutivos de festa esta semana, o LeiaJá separou dicas de segurança para um período momesco mais tranquilo.

Uma preocupação crescente sobre a realização de grandes eventos no Brasil é a oferta de água para consumo e os níveis de desidratação do público. Com o aumento das temperaturas e casos de mal estar e morte por calor extremo, a hidratação deve estar no radar do folião como uma prioridade. Além disso, boa alimentação e cuidado ao ingerir bebidas alcóolicas é essencial para evitar problemas posteriores, e assim, acabar com a folia mais cedo. O LeiaJá começa a seção de dicas com alguns hábitos para adotar (e não adotar) durante o Carnaval, em prol da saúde.

Saúde

– O folião deve se alimentar bem antes de sair de casa. Isso diminui as chances de passar mal durante os cortejos e ajuda a segurar o período sem a hidratação apropriada ou sob influência de bebidas alcoólicas. O ideal é que o folião busque se alimentar antes, durante a festa e após a festa. Durante a brincadeira nas ruas, comidas leves e frutas são alternativas mais acertadas do que os lanches e comidas muito gordurosas;

– Leve sua própria garrafa d’água ou certifique-se de que terá acesso à água durante a folia. É a hidratação que acompanha, sozinha, a maior parte dos foliões, do começo ao fim dos cortejos. Ainda que a vontade de ir ao banheiro aperte, beber água com intervalos iguais ou inferiores a duas horas é fundamental. Sucos naturais, isotônicos e água de coco também ajudam a hidratar o corpo e a repor os sais minerais;

– Se o folião pretende se alimentar nas barraquinhas de comida de rua, a dica é evitar alimentos fritos em óleo velho; que tenham maionese ou muitos condimentos, pois estragam facilmente no calor;

– Caso queira ingerir bebidas alcoólicas, o segredo está na moderação. Ainda assim, intercale a ingestão de álcool com a de água;

– Não aceite bebidas oferecidas por estranhos ou de procedência duvidosa;

– Use protetor solar, mesmo em um dia de folia nublado. Adereços como chapéus, lenços, óculos de sol também ajudam na proteção;

– Se passar mal ou sentir que há algo de estranho com seu corpo, comunique um amigo ou familiar, e busque ajuda imediata. Festas de Carnaval, por obrigatoriedade, devem ter brigadas policiais e do Corpo de Bombeiros disponíveis para o público. Busque a mais próxima e aceite o atendimento médico.

Segurança

– Leve seu próprio copo, se puder; do contrário, prefira garrafas individuais e não divida seu reservatório de bebida com ninguém. Além de ser o recomendado por entidades sanitárias, o cuidado também evita episódios criminosos, como a adulteração de bebidas;

– Priorize lugares que tenham segurança, com policiamento e também presença do Corpo de Bombeiros;

– Não brinque o Carnaval sozinho e evite locais desertos;

– Dê preferência às “doleiras” ou pochetes, pequenas bolsas que ficam juntas ao corpo. Mochilas ou bolsas com alças grandes podem facilitar o trabalho de criminosos. No meio da multidão, é pode ser difícil perceber que você foi furtado;

– Caso a situação seja de um assalto, não reaja. Mantenha a calma, dentro do possível, e deixe que o criminoso leve o que pede. A situação é frustrante, mas a vida deve estar em primeiro lugar;

– Se presenciar uma situação de assédio ou importunação sexual, preste apoio à vítima e incentive a denúncia;

– Não use joias, relógios e acessórios de valor, incluindo os que possuem valor sentimental, que possam chamar atenção;

– Caso atenda um evento fechado e/ou privado, verifique se o local cumpre medidas de segurança, com saídas de emergência, porta corta-fogo, extintores e alarmes de incêndio.

LeiaJá também

Carnaval 2024: Saiba onde encontrar policiamento nos polos

Cartilha da OAB-PE terá orientações sobre violência sexual

Crianças

– Pais e responsáveis: certifiquem-se de que as crianças têm água e protetor solar garantidos;

– Pulseiras de identificação são uma boa estratégia para caso a criança se perca do grupo. As “tags”, como são chamadas as pulseiras, devem conter o nome da criança, nome dos responsáveis e um telefone de contato. Marcar um ponto de encontro e orientar a criança a dizer seu nome e dos responsáveis a um agente de segurança uniformizado são outras recomendações importantes;

– Opte por fantasias leves e confortáveis para a criança;

– Não utilize sprays de tingimento ou espuma em crianças com idade inferior a três anos.