COP28 propõe ‘redução’ das energias fósseis em rascunho

O texto, elaborado pela presidência da COP28 após dias de negociações complicadas, fica aquém da exigência de “eliminar” progressivamente essas energias

A conferência climática de Dubai (COP28) propôs, nesta segunda-feira (11), a “redução do consumo e produção de combustíveis fósseis” para manter vivo o objetivo de limitar o aumento da temperatura do planeta a +1,5 ºC, segundo um rascunho.

O texto, elaborado pela presidência da COP28 após dias de negociações complicadas, fica aquém da exigência de “eliminar” progressivamente (“phase out”) essas energias, responsáveis pelo aquecimento global.

O rascunho de 21 páginas ainda deve ser submetido a uma sessão plenária de negociadores de quase 200 países. As decisões nas conferências climáticas da ONU são tomadas por consenso.

As nações que assinaram o Acordo de Paris “reconhecem a necessidade de reduções profundas, rápidas e sustentáveis das emissões” de gases de efeito estufa e, consequentemente, pedem “ações que possam incluir” toda uma bateria de medidas, segundo o texto.

Ou seja, o rascunho não pede explicitamente às partes que apliquem todas as medidas, sem exceção.

Também propõe como opção “eliminar” (“phase out”) os subsídios “ineficientes” aos combustíveis fósseis, e fazê-lo “o mais rápido possível”.

O texto renova o apelo a favor das energias renováveis, inclui a energia nuclear como opção “limpa” e também as polêmicas tecnologias de retenção e captura de CO2, ainda em desenvolvimento.

O texto é “um retrocesso”, criticou a principal aliança de organizações ambientalistas, a Climate Action Network.

“As nossas vozes não foram ouvidas”, explicaram os pequenos Estados insulares, os mais ameaçados pelo aumento das águas.

– “Corrida contra o tempo” –

A COP28 deve terminar oficialmente na terça-feira, mas as conferências climáticas da ONU crescem em número de participantes e em complexidade a cada ano.

“Estamos em uma corrida contra o tempo” para encontrar um consenso, destacou o secretário-geral da ONU, António Guterres, presente em Dubai para encorajar os diplomatas, depois de mais de dez dias de longas reuniões.

Guterres defendeu uma menção específica à eliminação das energias fósseis.

Mas “isso não significa que todos os países devam abandonar as energias fósseis ao mesmo tempo”, admitiu o chefe da ONU perante os jornalistas.

A COP de Dubai é a primeira a fazer um balanço da ação climática desde o Acordo de Paris, que impôs o objetivo de tentar manter a temperatura média global em +1,5 ºC em comparação com a era pré-industrial.

A intenção agora é definir novas metas mais ambiciosas, acelerar a transição energética e as medidas de adaptação.

O texto pede que os países apresentem novos planos para reduzir as emissões de gases até o final de 2024.

As negociações foram presididas pelo emiradense Sultan Al Jaber, presidente da companhia petrolífera nacional do seu país, o que levanta suspeitas há meses. Jaber afirmou diversas vezes que lutava por um “acordo histórico”.

Arábia Saudita e Iraque, duas grandes potências petrolíferas, expressaram publicamente sua oposição à palavra “eliminação” dos combustíveis fósseis na última grande reunião plenária, no domingo.

Os dois países consideram que nada indica que o petróleo, o gás e o carvão devem ser completamente abandonados para garantir o cumprimento do objetivo de +1,5ºC.

Os cientistas insistem que as emissões de gases do efeito estufa não estão diminuindo e, portanto, é necessário adotar medidas drásticas, o mais rápido possível.

O objetivo compartilhado por representantes das quase 200 nações reunidos em Dubai é alcançar a neutralidade de carbono, ou seja, que as emissões e capturas somem zero, até 2050.