Novo forte terremoto atinge estados do México; há mortos

O abalo sísmico ocorreu três dias depois que um forte tremor - de magnitude 7,4 - matou duas pessoas

qui, 22/09/2022 - 07:52
PEDRO PARDO / AFP Moradores ficam em uma rua após um terremoto de magnitude 6,8 na Cidade do México PEDRO PARDO / AFP

Um novo terremoto, de magnitude 6,9, foi registrado no México nesta quinta-feira (22) e deixou ao menos duas pessoas mortas. O abalo sísmico ocorreu três dias depois que um forte tremor - de magnitude 7,4 - matou duas pessoas. De acordo com as autoridades locais, desta vez, pelo menos cinco Estados mexicanos foram afetados.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o terremoto foi registrado às 1:16 (horário local), com epicentro entre os estados de Michoacán e Colima, a uma profundidade de 24,1 quilômetros. A princípio, não houve relatos de danos às estruturas, segundo as autoridades locais.

O presidente Andrés Manuel López Obrador compartilhou um vídeo em sua conta no Twitter explicando que o terremoto foi sentido nos estados de Michoacán, Colima, Jalisco, Guerrero e Cidade do México, e que até agora não houve relatos de danos.

A prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, também utilizou as redes sociais para comentar sobre o tremor e lamentar a morte de uma mulher, que faleceu ao cair da escada de sua casa e bater a cabeça após o alerta sísmico ser ativado. Posteriormente, a gestora atualizou o número de mortos. A segunda vítima foi um homem que sofreu um ataque cardíaco durante o terremoto.

Após a conclusão dos protocolos de segurança, Sheinbaum informou que nenhum dano físico ocorreu na capital. Muitos moradores da Cidade do México saíram às ruas no meio da noite depois de ouvir o alerta sísmico.

No início da semana, um forte terremoto atingiu o México - o terceiro registrado em 19 de setembro, como aconteceu em 1985 e 2017. Os abalos de 2017 e deste ano também ocorreram logo após o exercício anual que é realizado todo mês de setembro para relembrar o devastador terremoto de 1985 que matou cerca de 9,5 mil pessoas. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

COMENTÁRIOS dos leitores