Vídeo mostra arma usada por bolsonarista que matou petista

Ele também gravou um vídeo do corpo da vítima

sab, 10/09/2022 - 16:35
Reprodução Machado utilizado para matar lulista Reprodução

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o local onde as armas utilizadas por Rafael Silva de Oliveira, de 22 anos, o bolsonarista, para assassinar o petista Benedito Cardoso dos Santos, de 44 anos, na quarta-feira (7), com pelo menos 15 facadas e um golpe de machado por causa de uma discussão política. Ele também gravou um vídeo do corpo da vítima e formatou o celular antes de entregar o aparelho a um amigo. 

A informação foi dada pelo delegado responsável pelo caso, Victor Oliveira. A Polícia Civil afirmou que o telefone vai ser periciado para tentar recuperar o vídeo.

Embed:

Segundo o delegado, Rafael gravou o vídeo do corpo de Benedito e foi até um amigo pedir carona para a cidade de Confresa, já que a propriedade onde aconteceu o assassinato fica a 34 quilômetros do município. O amigo, no entanto, disse que não poderia levá-lo. 

“Ele falou que tinha praticado uma besteira, mostrou o vídeo e deixou o celular com essa testemunha. O celular foi apreendido, só que ele estava formatado e não tinha mais nada. Vamos tentar com a perícia para ver se recupera alguma coisa, mas, até então, não tivemos acesso ao vídeo”, detalhou o delegado. O amigo disse para a polícia que o vídeo mostra o corpo da vítima no chão. 

Ainda de acordo com o delegado, além da testemunha que falou sobre o vídeo e que estava com o celular de Rafael, outras seis pessoas também já foram ouvidas. Ele também disse que Rafael estava lúcido e ciente no momento da prisão. “Para nós, ele estava lúcido e ciente do que estava fazendo, então ele foi autuado como uma pessoa normal”. 

O crime ocorreu em uma chácara em Agrovila, Zona Rural de Confresa, a 1.160 quilômetros da capital Cuiabá. O delegado detalhou que os dois homens trabalhavam juntos no corte de lenha em uma propriedade e, na noite de 7 de setembro, começaram a discutir sobre política. 

“O que levou ao crime foi a opinião política divergente. A vítima estava defendendo o Lula, e o autor defendendo o Bolsonaro”, disse Victor. 

A Polícia informou que Benedito deu um soco no rosto de Rafael e pegou a faca em seguida. O autor do crime, então, partiu para cima da vítima e tomou para si a arma branca. 

Na versão apresentada pelo delegado, Benedito correu e Rafael o perseguiu, quando começou a golpeá-lo pelas costas. A vítima ficou caída no chão, momento em que o autor aproveitou para acertá-la com golpes no olho, pescoço e na testa. 

Rafael foi até um barracão pegar um machado, voltou até Benedito, que ainda estava vivo, e o acertou no pescoço, na tentativa de decaptá-lo. 

As armas do crime foram escondidas e o autor foi andando até Confresa. Lá, ele foi ao hospital e solicitou atendimento médico porque estava com um corte na mão e na testa. Ele alegou que tinha sido vítima de uma tentativa de assalto e foi encaminhado para a delegacia para prestar depoimento e confessou o crime. 

Rafael foi preso em flagrante por homicídio qualificado, por motivo fútil e cruel e teve a prisão em flagrante convertida para preventiva. 

A faca, o machado e outros elementos foram encontrados pelos policiais. 

COMENTÁRIOS dos leitores