Bebê prematura viaja 8h em incubadora improvisada

Unidade de saúde de sua cidade não tinha equipamentos necessários e um improviso salvou a vida da menina

por Camilla Dantas qui, 28/04/2022 - 16:45
Reprodução Boleira foi improvisada para transportar a bebezinha Reprodução

Uma bebê de apenas 1kg, que nasceu com seis meses, precisou viajar oito horas em uma incubadora improvisada, com uma espécie de bacia de plástico para guardar bolos. O destino da vigem era Teresina, a 600km de seu local natal, Baixa Grande do Ribeiro, no Piauí.

 Ao G1, a mãe contou que as dificuldades começaram antes mesmo da menina nascer. Flávia de Sousa Lira, de 23 anos, é vítima de violência doméstica pelo pai da bebê. A gestação, desde o início, foi considerada de risco.

Estava indo tudo bem, quando a jovem sentiu uma dor intensa e recebeu ajuda de seu filho de seis anos, que chamou ajuda.

"Ele pegou meu celular e pela foto de perfil reconheceu minha mãe e ligou pra ela. Mas não deu tempo, quando deu 19h eu tive a Elisa, em pé mesmo, e nesse momento uma vizinha entrou na minha casa e me ajudou a segurar a neném", contou Flávia ao G1.

Com a chegada da equipe a mãe e a bebê foram levadas para a unidade hospitalar da cidade, onde os profissionais reconheceram não ter os equipamentos necessários de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal e disseram que a bebê precisaria ser transferida o Hospital Regional Tibério Nunes, na cidade de Floriano a 343 km de distância. em uma viagem de mais ou menos 4 horas.

Mas não havia vaga da maternidade em Floriano e a família precisou ir até Teresina.

 Incubadora improvisada

Foi encontrada a vaga para a menina Elisa na Maternidade Wall Ferraz (Ciamca), em Teresina, só que devido às oito horas de viagem, tiveram que preparar a bebê para que nenhuma complicação ocorresse.

Para isso, foi improvisado uma incubadora em um recipiente de guardar bolo. Foram feitos alguns furos para a saída de ar e entrada de um tubo de oxigênio. Além disso, a menina foi enrolada em um papel alumínio e com alguns cobertores para manter a temperatura. 

Milagre

Elisa reage muito bem aos cuidados médicos e tem evoluções que surpreendem a própria equipe médica, que a consideram um "milagre".

COMENTÁRIOS dos leitores