Mais de 140.000 refugiados saíram da Ucrânia em 24 horas

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) contabiliza 2.155.271 refugiados que fugiram da guerra da Ucrânia

qua, 09/03/2022 - 10:44
Louisa GOULIAMAKI Refugiados que chegaram da Ucrânia sobtem em trem para viajar de Medyka a Cracóvia, leste da Polônia Louisa GOULIAMAKI

Mais de 140.000 refugiados se somaram, nas últimas 24 horas, aos mais de dois milhões de exilados que fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, segundo os últimos números publicados pela ONU.

- 2.155.271 refugiados -

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) contabiliza 2.155.271 refugiados que fugiram da guerra da Ucrânia, segundo os dados publicados nesta quarta-feira às 11H00 GMT (8H00 de Brasília).

São 143.959 refugiados adicionais na comparação com terça-feira.

A marca dos dois milhões foi superada na véspera, somente 12 dias depois do início do conflito, disse Filippo Grandi, alto comissário para os refugiados, o que representa o fluxo de exilados mais rápido no continente europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

As autoridades na zona de guerra e a ONU asseguram que este fluxo vai aumentar ainda mais. Várias tentativas de abrir corredores humanitários fracassaram desde o início da guerra, mas um novo acordo foi alcançado na manha desta quarta-feira.

Segundo a ONU, até quatro milhões de pessoas poderão abandonar o país por causa do conflito.

Antes do começo do conflito, a Ucrânia tinha mais de 37 milhões de habitantes nos territórios controlados por Kiev, o que não inclui a península da Crimeia - anexada pela Rússia em 2014 - nem as duas zonas que estão nas mãos dos separatistas pró-russos no leste do país.

- Polônia -

A Polônia recebe mais da metade dos refugiados, ou seja 1.294.903, segundo o balanço do ACNUR de 8 de março.

Os agentes fronteiriços poloneses anunciaram nesta quarta-feira pela manhã que 1.330.000 pessoas entraram no país procedentes da Ucrânia durante o conflito, 93% delas ucranianas. Na véspera, terça-feira, as autoridades registraram 142.400 entradas.

Antes da crise, 1,5 milhões de ucranianos já viviam na Polônia, em sua maioria para trabalhar em um país membro da União Europeia.

- Hungria -

A Hungria acolheu até o momento 203.222 refugiados, um pouco menos de 10% do total, segundo o ACNUR.

O país conta com cinco postos fronteiriços com a Ucrânia e várias cidades limítrofes, como Zahony, colocaram edifícios públicos à disposição para alojar os ucranianos

- Eslováquia -

153.303 ucranianos fugiram em direção à Eslováquia desde o início da guerra, segundo a agência da ONU, 12.613 a mais que o informe anterior.

- Rússia -

O número de pessoas que se refugiaram na Rússia se estabeleceu em 99.300 pessoas até a data de 8 de março, sem mudanças em relação à véspera.

O Acnur apontou que, entre 18 e 23 de fevereiro, 96.000 pessoas passaram dos territórios separatistas pró-russos de Donetsk e Lugansk para a Rússia.

- Moldávia -

O número de ucranianos chegados à Moldávia, um pequeno país de 2,6 milhões de habitantes e um dos mais pobres da Europa, não se alterou desde domingo na contagem do Acnur.

Segundo esta última cifra disponível, 82.762 refugiados chegaram à Moldávia, ainda que uma parte siga seu caminho rumo à Romênia ou Hungria, onde têm familiares.

- Romênia -

O Acnur contabilizou 85.444 refugiados até domingo. Como na Moldávia, muitos refugiados decidem seguir para outros países mais ao oeste.

- Outros países -

A agência da ONU também contabilizou que 235.745 pessoas, mais de 10% do total, refugiaram-se em outros países europeus, mais distantes das fronteiras ucranianas.

COMENTÁRIOS dos leitores