Câncer de próstata já atinge um em cada seis homens

Campanha do Novembro Azul, no Brasil, acende alerta para medidas preventivas e importância do diagnóstico precoce

Novembro Azul é o mês de conscientização e prevenção do câncer de próstata. Nesse período, ações de saúde pública destacam que todo homem, a partir dos 50 anos, tem que ir ao urologista, pelo menos uma vez por ano. Homens negros ou com parentes de primeiro grau que tiveram câncer de próstata devem iniciar as consultas e exames preventivos mais cedo, aos 45 anos.

 O câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os homens (depois do câncer de pele não melanoma). Um em cada seis homens terão câncer de próstata durante a vida.

 A doença afeta mais os homens acima de 50 anos, com excesso de peso e sedentários. Negros não apenas têm mais possibilidades de desenvolver o câncer de próstata, como estão sujeitos às formas mais agressivas da doença, indicam estudos científicos. 

O Novembro Azul lança perguntas importantes: tenho dificuldade para urinar? Acordo várias vezes durante a noite para ir ao banheiro e, mesmo assim, percebo que o jato está fraco? Há vestígios de sangue na urina? Sinto vontade fazer xixi com urgência? Se a resposta for sim para pelo menos uma dessas perguntas, é importante procurar um urologista.

A preocupação em incentivar os homens a procurar um especialista é antiga e aumentou por causa da pandemia. O medo de contrair covid-19 e os tabus que envolvem a realização dos exames preventivos são obstáculos para os homens procurarem atendimento médico.

De acordo com o urologista João Frederico Andrade, do Centro de Tratamento Oncológico – CTO, homens brasileiros vivem, em média, sete anos menos do que as mulheres. “No caso do câncer de próstata, a negligência do público masculino pode resultar em um diagnóstico tardio, que significa que o tratamento será mais difícil”, diz ele.

Pesquisa realizada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, em 2019 (antes da pandemia), com 2.405 homens, mostrou que 59% deles não costumavam ir ao urologista. Entre os homens acima de 50 anos atendidos pela rede privada, 89% disseram já ter feito o PSA e 65%, o exame de toque. Entre os atendidos pelo SUS, 45% nunca foram submetidos ao toque retal e 16% não fizeram o exame de PSA.

Durante a pandemia, cerca de 90% afirmaram que houve uma redução em 50% das cirurgias eletivas, e 54,8% relataram que as cirurgias de emergências diminuíram pela metade. O atendimento ambulatorial e nos consultórios médicos teve uma redução ainda maior, de 80%. Foi o que constatou o levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Urologia no ano passado.

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem uma evolução silenciosa. Por isso, muitos homens não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, também chamado de HPB. Quando alguns sinais começam a aparecer, 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura.

A avaliação periódica é o primeiro e mais importante passo. “As chances de recuperação chegam até 90% quando a doença é diagnosticada precocemente”, alerta o especialista.

Confira os sintomas que são suspeitos e indicam que o homem deve ir ao médico:

·         Sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar.

·         Dificuldade para interromper o ato de urinar.

·         Urinar em gotas ou jatos sucessivos.

·         Necessidade de fazer força para manter o jato de urina.

·         Vontade incontrolável de urinar, mesmo quando a bexiga não está cheia.

·         Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos).

·         Problemas em conseguir ou manter a ereção.

·         Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros).

·         Dor durante a passagem da urina ou nos testículos.

·         Ejaculação dolorida.

·         Dor lombar, na bacia ou nos joelhos.

·         Sangramento pela uretra.

Os fatores que podem ajudar a prevenir o câncer de próstata são alimentação saudável – rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais; manter o peso ideal do corpo, praticar atividades físicas, não fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

Exames preventivos, como o toque retal, são fundamentais. O exame é rápido e indica se a próstata apresenta algum tipo de alteração. Quando há presença de câncer, a glândula endurece. Caso a alteração seja detectada, o médico pode solicitar outros exames para confirmar o diagnóstico, como o PSA (Antígeno Prostático Específico), o ultrassom transretal e a biópsia da glândula para análise.

A mais recente estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), indica que o câncer de próstata corresponde a 13,5% de todos os cânceres no mundo. A cada dia, 42 homens morrem em decorrência do câncer de próstata e aproximadamente 3 milhões vivem com a doença no mundo.

No Brasil, a doença corresponde a 29,2% dos tumores malignos em homens, se não considerarmos os tumores de pele não melanoma. A estimativa é de que a doença deve ter mais de 65.840 casos novos para cada ano do triênio 2020-2022, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Cerca de 15 mil homens morreram em 2018 por causa do câncer de próstata.

Com informações da assesoria do CTO.