Policiais penais querem ser incluídos na vacinação em PE

Sindicato da categoria emitiu nota de repúdio após reunião com as autoridades de saúde do Estado

por Vitória Silva ter, 06/04/2021 - 16:25

O presidente do Sindicato dos Policiais Penais (SILPOLPEN-PE), João Carvalho, emitiu nota de repúdio nesta terça-feira (6), representando os interesses da categoria quanto à inclusão no Plano de Vacinação do Estado. Os profissionais alegam falta de consistência da discriminação do Governo de Pernambuco sobre a vacinação contra a Covid-19 e reclamam da não inclusão dos policiais penais nos grupos prioritários.

O comunicado foi emitido após reunião sindical junto aos secretários de Saúde, André Longo, e o da Defesa Social, Antônio de Pádua. A reunião virtual foi controlada pelo Presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe),  Eriberto Medeiros, com a participação de vários representantes sindicais e associações.

Segundo o SINPOLPEN, as reivindicações sindicais envolveram a prioridade dos policiais penais no grupo de vacinação, sob a alegação de que os agentes fazem a custódia hospitalar de presos, além de atendimento ao público com controle e vigilância de distanciamento social. Também são realizados socorros a presos e fiscalizações diárias, colocando o grupo, assim, em risco para o contágio da doença.

Na reunião, ainda segundo o sindicato, alguns secretários falaram que têm uma nota técnica relatando o controle de vigilância e distanciamento, porém não possui vacina para todos neste momento. Em coletiva da Saúde no fim do mês de março, André Longo já havia esclarecido as questões referentes à prioridade da vacinação contra a Covid-19 e que existe uma pressão para que o Governo Federal envie mais vacinas.

Na declaração, Longo foi firme ao falar que, com a escassez de vacina, ainda não é possível colocar à frente dos grupos de risco grupos de trabalhadores, apesar de entender a demanda, dizendo que “todos se acham no direito (de se vacinar) e têm razão em se considerar grupos prioritários”. O secretário disse ainda que não há “justificativa plausível do ponto de vista técnico-científico”, para uma inflexão naquilo que é tido como grupo prioritário, definido pelo comitê técnico nacional, que auxilia o Programa de Imunização Nacional (PNI).

Confira, a seguir, o restante da nota:

O SINPOLPEN PE repudia a não inclusão dos policiais penais que fazem custódia hospitalar, socorros de presos doentes, fiscalização e controle de grande público todas semanas e dias em atendimento e visitas, onde a categoria não foi incluída. Os policiais penais fazem parte da Segurança Pública, conforme a Emenda Constitucional n 104/2019, pela emenda constitucional estadual n 53/2020 e pela Lei Complementar n 442/2020. Sendo assim, a não inclusão nesta previsão é uma vergonha e vem a demonstrar claramente que o Estado não se preocupa com aqueles que estão no combate à pandemia como são os policiais penais. O SINPOLPEN PE relatou que vários Estados assumiram vacinar todos com lotes que receberam, pois o Estado de Pernambuco recebeu um lote de mais de 380 mil vacinas e tem na segurança pública no máximo cerca de 50.000 servidores de Segurança Pública. Sendo assim, o Estado priorizou alguns grupos em detrimento a outros e não fez a devida prioridade para policiais penais, e outras categorias. Sendo assim, a categoria deve se negar a realizar alguns serviços de pjes como forma de repúdio. Estaremos nos reunindo com a diretoria para tomar decisão sobre atos de repúdio.

João Carvalho

Presidente do SINPOLPEN PE

COMENTÁRIOS dos leitores