Suíços se pronunciam sobre iniciativa contra burca

Referendo realizado neste domingo (7) na Suíça para proibir esconder o rosto em público está acirrado no país

dom, 07/03/2021 - 11:10
Fabrice COFFRINI Cartazes de campanha para referendo no domingo, 7 de março, na Suíça Fabrice COFFRINI

O referendo realizado neste domingo (7) na Suíça para proibir esconder o rosto em público, uma medida que visa as poucas mulheres que usam o niqab e a burca, está acirrado no país alpino.

Pouco depois das 11h30 GMT (8h30 de Brasília), as primeiras projeções do instituto gfs.bern e do serviço público de audiovisual suíço apontavam o 'sim' à proibição como vencedor com 51%, mas com margem de erro de três pontos.

Se o 'sim' vencer, a Suíça seguirá os passos da França, Áustria, Bulgária, Bélgica e Dinamarca a proibir o véu completo, após anos de debate.

Se o texto não menciona a burca (uma espécie de túnica longa que cobre as mulheres da cabeça aos pés e tem uma rede na altura dos olhos) ou o niqab (que cobre completamente o corpo e o rosto, exceto os olhos), todos sabem a quem está se referindo.

Para quem não entendeu, mulheres usando niqab aparecem nos cartazes da campanha "Acabar com o Extremismo".

Por sua vez, os cartazes dos opositores da iniciativa apelam ao voto "não a uma lei islamofóbica, absurda e inútil".

Se a iniciativa for aprovada, será proibido cobrir completamente o rosto em público, embora estejam previstas exceções, por exemplo, para locais de culto.

"O objetivo da iniciativa não são os muçulmanos. Não questionamos suas práticas religiosas", disse à AFP Jean-Luc Addor, porta-voz do 'sim' e membro do partido populista de direita UDC. Para ele, trata-se de defender "os valores da nossa civilização".

Addor reconhece que existem muito poucas mulheres que usam esse tipo de vestimenta na Suíça. Mas, "quando um problema é identificado, deve ser resolvido antes que saia do controle".

Muitas organizações feministas se opõem à proibição.

"Além de inútil, este texto é racista e sexista. Em pleno 2021, como feministas, não é aceitável que a Constituição suíça tenha um artigo que ordene ou proíba as mulheres, seja ela quem for", disse à AFP Inés El Shikh, porta-voz do coletivo feminista muçulmano "Lenços Violetas".

Para El Shikh, o projeto de lei cria a ilusão de um problema onde não há nenhum e diz respeito a apenas algumas dezenas de mulheres.

- Turistas -

O governo federal e o Parlamento se opõem a essa medida, argumentando que trata de um problema que não existe.

Sua alternativa, que seria adotada imediatamente em caso de fracasso do sim, obrigaria as pessoas a mostrarem o rosto quando as autoridades exigirem para fins de identificação, por exemplo, nas fronteiras.

As infratoras podem ser multadas em até 10.000 francos suíços (US$ 10.800).

A ministra da Justiça da Suíça, Karin Keller-Sutter, ressaltou que a grande maioria das mulheres que usam niqab são turistas. Antes da pandemia do coronavírus, não era incomum vê-las fazendo compras em lojas de luxo no centro de Genebra.

Liberais e políticos de esquerda aderiram à iniciativa do partido UDC em nome da proteção dos direitos das mulheres.

Na Suíça, 100 mil assinaturas a favor de uma proposta são suficientes para que os cidadãos opinem em referendos. É uma democracia direta que é o orgulho deste rico país de 8,6 milhões de habitantes.

Para que o sim ganhe, deve obter a maioria dos votos e prevalecer na maioria dos 26 cantões.

Segundo dados de 2019 do gabinete de estatísticas, cerca de 5,5% da população suíça é muçulmana, essencialmente com raízes na ex-Iugoslávia, onde essa tradição não existe na indústria do vestuário.

Em 2009, os suíços votaram pela proibição da construção de minaretes em mesquitas, gerando raiva em países muçulmanos e sendo aclamada por partidos nacionalistas europeus.

Dois cantões já proíbem a cobertura do rosto.

Tags:

COMENTÁRIOS dos leitores