Projeto acadêmico troca óleo de cozinha por sabão líquido

O recolhimento do produto usado será feito sempre nos primeiros 15 dias do mês. Dois litros de óleo equivalem a 500 ml de detergente.

A Faculdade UNINASSAU Belém inicia, em outubro, um sistema de troca de óleo cozinha por sabão líquido, o Projeto Sabão do Bem. O recolhimento será sempre nos primeiros 15 dias de cada mês, na Unidade Quintino Bocaiúva, em Belém. Os interessados em contribuir podem levar o material até a portaria da UNINASSAU Quintino Bocaiúva e efetuar a troca no estande do projeto, de segunda a sexta-feira, das 8 às 20 horas. A cada dois litros doados para a instituição, a população recebe 500ml de sabão líquido.

A iniciativa é coordenada pelos cursos de Engenharia Química e Ambiental e Sanitária da UNINASSAU Belém. Segundo os coordenadores, o projeto está incluso nas atividades de responsabilidade social da instituição e foi desenvolvido pensando na redução dos impactos ambientais gerados no solo e em recursos hídricos, já que um litro do produto despejado de forma irregular contamina mais de 20 mil litros de água.

Para Fabrício Quadros, supervisor técnico do Sabão do Bem, o resíduo do óleo de cozinha, gerado diariamente nos lares, indústrias e estabelecimentos, é despejado de forma inadequada e causa danos ao meio ambiente. “Quando o óleo é descartado diretamente em pias, vasos sanitários, rios e riachos, indo parar nos sistemas de esgoto e nas águas, ele causa danos, como entupimento dos canos e o encarecimento dos processos das estações de tratamento, além de contribuir para a poluição do meio aquático. Por isso, é necessária a conscientização dos estabelecimentos e da sociedade”, afirmou.

“O nosso sabão é feito a partir do óleo vegetal reutilizado com a adição de alguns produtos químicos, como o álcool etílico 90%, o hidróxido de sódio, o hipoclorito de sódio e alguns outros aditivos. Os produtos são medidos em proporções e misturados com água quente para que o processo químico ocorra. Em seguida, o sabão descansa e ao longo da semana nós fazemos o monitoramento físico-químico e o controle de qualidade do produto”, explicou Danielle Costa, uma das coordenadoras do projeto.

Para participar do Projeto Sabão do Bem, basta seguir estas orientações: armazenar o óleo de cozinha usado em uma garrafa pet limpa; manter o  óleo sem misturas, como água e restos de comida, e sem impurezas e mau odor.

Por Ana Luiza Imbelloni.