2020 já registra mais trans assassinadas que ano passado

No comparativo com o mesmo período de 2019, houve um aumento de 70% nas mortes das pessoas trans, principalmente as que expressam o gênero feminino

por Jameson Ramos qua, 09/09/2020 - 18:07
Júlio Gomes/LeiaJá Imagens/Arquivo As trans que expressam o gênero feminino foram as maiores vítimas Júlio Gomes/LeiaJá Imagens/Arquivo

Nos oito primeiros meses de 2020, 129 pessoas trans foram mortas no Brasil. Esse número, segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) representa um aumento de 70% em relação ao mesmo período do ano passado. Esse número chega a ser maior do que as mortes de transexuais mortas durante todo o ano de 2019, quando foram registrados 124 assassinatos.

A Antra aponta que até o dia 31 de agosto, todas as 129 pessoas trans assassinadas expressavam o gênero feminino, sejam travestis ou mulheres trans. Além disso, a associação revela que os assassinatos das pessoas transexuais apresentam o quarto aumento consecutivo em 2020.

No primeiro bimestre, o aumento foi de 90%, no segundo 48% e no terceiro 39%, chegando a 70% no número de casos em relação ao período de julho e agosto de 2019.

Os cinco estados com mais mortes de pessoas trans, entre um de janeiro e 31 de agosto de 2020 são: São Paulo (19 casos), Bahia (16), Minas Gerais (16), Ceará (15) e Rio de Janeiro (7). Esses mesmos estados, segundo acompanhamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, são os que figuram entre os que mais assassinam pessoas trans desde 2017, quando os levantamentos foram iniciados.

Uma das razões para isso, segundo a Antra, é a falta de ações do Estado, "que segue ignorando esses índices e não implementou nenhuma medida de proteção junto a população LGBTI+, mesmo depois da decisão do Supremo Tribunal Federal que reconheceu a LGBTIfobia como uma forma do crime de racismo".

COMENTÁRIOS dos leitores