Medicamento para piolho pode matar o novo coronavírus

Identificado por cientistas da Universidade Monash, na Austrália, remédio antiparasitário pode matar o RNA do vírus dentro de 48 horas

por Katarina Bandeira seg, 06/04/2020 - 11:51
Pixabay Apesar dos resultados positivos em laboratório, remédio ainda terá que passar por testes em pessoas Pixabay

Um medicamento para combater piolhos é a nova esperança no combate ao novo coronavírus. Resultados de um estudo liderado pelo  Monash Biomedicine Discovery Institute (BDI), na Austrália, mostraram que o Ivermectin, remédio antiparasitário vendido no mundo todo, foi capaz de interromper o RNA do vírus da SARS-CoV-2 em 48h.

Essa não é a primeira vez que o medicamento antiparasitário aprovado pela FDA se mostra eficaz contra doenças. Anteriormente, ele também demonstrou ser combativo contra uma ampla gama de vírus, incluindo HIV, Dengue, Influenza e Zika. Apesar dos resultados encontrados em laboratório, ainda faltam testes em humanos para comprovar a eficácia do medicamento nas pessoas, além da dose necessária para combater a Covid-19.

“Nos momentos em que estamos tendo uma pandemia global e não há um tratamento aprovado, se tivéssemos um composto que já estava disponível em todo o mundo, isso poderia ajudar as pessoas mais cedo. Realisticamente, levará um tempo até que uma vacina esteja amplamente disponível", explica a Dra. Kylie Wagstaff, nome à frente do estudo, em uma publicação no site da universidade australiana.

"Embora o mecanismo pelo qual a Ivermectina trabalhe não seja conhecido, é provável que, com base em sua ação em outros vírus, ele trabalhe para impedir que o coronavírus 'diminua' a capacidade das células hospedeiras de eliminá-lo", disse Wagstaff. Embora demonstre sua eficácia em laboratório, o remédio ainda não pode ser usado em humanos para combater a pandemia até que outros testes e ensaios clínicos tenham sido concluídos. Os resultados serão importantes para que ele seja manipulado de forma segura nas pessoas. 

COMENTÁRIOS dos leitores