Pará registra 5º caso de coronavírus e fiscaliza aeroporto

Paciente com a doença confirmada é do município de Marabá, no sudeste do Estado. Profissionais de saúde atuam em tempo integral no controle de passageiros em Belém

seg, 23/03/2020 - 10:31
Divulgação/Sespa Profissionais de saúde atuam 24 horas no aeroporto de Belém Divulgação/Sespa

Uma mulher de 29 anos, do município de Marabá, no sudeste do Pará, é o quinto caso confirmado de infecção pelo novo coronavírus no Estado. Ela esteve em São Paulo e retornou no dia 16 de março. Com o diagnóstico da covid-19, a paciente está em isolamento domiciliar.

A última atualização da Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa) informa que são 207 os casos investigados da doença até a manhã desta segunda-feira (23). Outros 101 foram descartados.

Profissionais da Sespa seguem fiscalizando o desembarque no Aeroporto Internacional de Belém. As equipes se revezam nas 24 horas do dia para evitar a importação de casos de covid-19.

A campanha de vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira (23) no Pará. Serão 32 novos pontos de vacinação, em farmácias, supermercados e shoppings.

A Sespa esclarece que a vacina não tem ação contra o coronavírus, mas ajuda no diagnóstico de outras doenças e facilita a detecção dos casos de covid-19 pelos médicos. As informações detalhadas podem ser acessadas no site da Sespa.

O primeiro caso no Pará foi confirmado no último dia 18 de março. O paciente é homem de 37 anos, de Belém.

Na sexta-feira (20), a Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) aprovou a decretação do estado de calamidade pública no Pará. Decreto do governador Helder Barbalho nesse sentido foi aprovado, à unanimidade, em sessão extraordinária convocada pelo presidente da casa, deputado Daniel Santos (MDB).

A medida tem como objetivo flexibilizar o limite os gastos públicos com ações de combate ao novo coronavírus. Com isso, o Estado fica desobrigado, por exemplo, de cumprir a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

Uma comissão de parlamentares (sendo cinco membros efetivos e cinco suplentes) vai acompanhar as medidas que vêm sendo adotados pelo Estado e fiscalizar a aplicação de recursos. A calamidade pública terá efeito até 31 de dezembro deste ano.

Com informações da Sespa e Alepa

COMENTÁRIOS dos leitores