Dia do Doador de Sangue: o valor de um ato solidário

Segundo o Ministério da Saúde, cada bolsa de doação pode salvar até quatro vidas

por Daiane Crema seg, 25/11/2019 - 17:30
Flickr Até setembro deste ano, região Sudeste foi a que mais fez doações de sangue no país Flickr

Nesta segunda-feira (25) é comemorado o Dia Internacional do Doador Voluntário de Sangue, um ato de solidariedade que é praticado pode cerca de 3,3 milhões da população brasileira, segundo o Ministério da Saúde. Ou seja, cada bolsa de sangue doado pode salvar até quatro vidas.

Os dados do Ministério apontam que até setembro deste ano 2,4 milhões de bolsas de sangue foram coletadas em todo país. A região Sudeste foi quem realizou o maior número de coletas com 1 milhão de doações.

A assistente comercial Thais Xavier de Abreu, 33 anos, tornou-se doadora regular desde a primeira vez que participou de uma campanha na faculdade, em 2016. Ela faz doações pelo menos uma vez por ano, mas já chegou a fazer duas doações em 12 meses. "Como meu sangue é tipo O-, doador universal, considero importante ajudar aqueles que precisam. Eu sei que cada doação minha podem salvar até quatro vidas e, pra mim, todas as vidas importam", afirma Thais.

Segundo a chefe de divisão dos postos externos da Fundação Pró-Sangue/ Hemocentro de São Paulo, Renata Barros, os requisitos básicos para se tornar doador de sangue é ter entre 16 e 69 anos, ter peso mínimo de 50 quilos e ter uma boa saúde. "Antes da doação são realizados testes para saber se o doador tem anemia e é feita avaliação dos sinais vitais, como pressão arterial, pulso e temperatura. Além de uma entrevista que visa a proteção do doador e a quantidade de sangue doado", explica.

Renata lembra que na época das festas ou feriados prolongados é quando os bancos de sangue mais necessitam de doações. Pelo fato das pessoas estarem viajando, o número de doadores diminui. "Somando a isso, muitas pessoas viajam para lugares onde há prevalência de doenças e, ao retornarem, não podem doar sangue por um determinado tempo, como é o caso das regiões com malária", conclui.

Há também um intervalo entre as doações. Os homens devem esperar 60 dias e as mulheres 90 dias para realizar outra doação de sangue. Este é o tempo que o organismo leva para repor o sangue doado, os glóbulos vermelhos e atingir o nível de ferro que apresentava antes da doação. Pessoas que são HIV positivo ou que tiveram hepatite após os 11 anos não podem doar sangue. No site do Pró-Sangue é possível verificar as condições para se tornar um doador.

COMENTÁRIOS dos leitores