Bolsas da Ásia fecham sem direção única

A China está pressionando os EUA a remover tarifas impostas a produtos chineses antes de fechar um acordo comercial preliminar com Washington, de acordo com a imprensa chinesa

qua, 06/11/2019 - 07:02

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única nesta quarta-feira (6), com investidores monitorando de perto os desdobramentos das negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

A China está pressionando os EUA a remover tarifas impostas a produtos chineses antes de fechar um acordo comercial preliminar com Washington, de acordo com a imprensa chinesa.

Pequim quer um "compromisso sólido" com a Casa Branca sobre a retirada de tarifas com a alegação de que, sem essa iniciativa, uma visita aos EUA pelo presidente chinês, Xi Jinping, seria "politicamente difícil", segundo fonte do jornal South China Morning Post.

Outra fonte disse à mesma publicação chinesa que foi sugerido que Xi passasse por Washington para firmar um acordo prévio com os EUA antes de seguir para o Brasil para participar da reunião de cúpula dos Brics, na próxima semana. A avaliação de fontes ligadas ao governo chinês, porém, é que "pode ser muito cedo" para Xi aproveitar a viagem ao Brasil, uma vez que ainda não há consenso entre EUA e China sobre os termos de um acordo preliminar.

Nos negócios da China continental, o índice Xangai Composto caiu 0,43% hoje, a 2.978,60 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,87%, a 1.641,23 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei teve alta de 0,22% em Tóquio, a 23.303,82 pontos, enquanto os mercados acionários de Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan apresentaram ganhos apenas marginais. O Hang Seng avançou 0,02% em Hong Kong, a 27.688,64 pontos, o sul-coreano Kospi se valorizou 0,07%, a 2.144,15 pontos, e o taiwanês Taiex subiu 0,08%, a 11.653,07 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no vermelho, interrompendo uma sequência de três pregões positivos. O S&P/ASX 200 caiu 0,55% em Sydney, a 6.660,20 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.

COMENTÁRIOS dos leitores