Negociações com Talibã estão mortas, diz Trump

O anúncio foi feito depois que o presidente americano cancelou uma reunião secreta que estaria programada para domingo com líderes talibãs, em sua residência secundária de Camp David

seg, 09/09/2019 - 20:51
NICHOLAS KAMM Trump conversa com jornalistas no jardim da Casa Branca NICHOLAS KAMM

O presidente americano, Donald Trump, deu por encerradas nesta segunda-feira as longas negociações mantidas com os talibãs para pôr fim ao conflito no Afeganistão, após um recente atentado insurgente no qual um soldado americano morreu.

"Estão mortas. Para mim, estão mortas", disse na Casa Branca.

O anúncio foi feito depois que Trump cancelou uma reunião secreta que estaria programada para domingo com líderes talibãs, em sua residência secundária de Camp David.

A mudança de atitude de Washington em relação aos talibãs já havia ficado clara minutos antes, quando Trump assegurou que as tropas americanas estavam atingindo os insurgentes afegãos como nunca antes na última década.

"Nos últimos quatro dias, atingimos nosso inimigo mais forte do que nunca nos últimos dez anos!", afirmou o presidente no Twitter.

No domingo, o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, disse que suas tropas mataram mais de mil talibãs em 10 dias.

Até o final de semana haviam crescido as expectativas sobre um acordo que permitisse a retirada de milhares de soldados americanos do Afeganistão, onde Washington mobiliza 13.000 militares. Em troca, os talibãs ofereciam garantias sobre uma "redução da violência" no país.

No entanto, o atentado em Cabul na semana passada mudou a situação, e Trump anunciou o cancelamento de sua reunião com líderes talibãs, mantida sob sigilo até o momento.

Muitos se indignaram em Washington ao saber que representantes dos talibãs haviam estado a ponto de visitar a residência presidencial apenas três dias antes do 18º aniversário dos atentados de 11 de setembro, perpetrados pelos jihadistas da Al-Qaeda com o apoio dos insurgentes afegãos.

A atitude do presidente também gerou críticas sobre sua forma de negociar.

Trump negou contudo qualquer divergência em seu governo pela reunião cancelada.

"Muitas notícias falsas de que eu teria atuado contra o conselho do vice-presidente (Mike Pence) e vários assessores sobre uma possível reunião com os talibãs em Camp David", tuitou mais cedo o mandatário. "Essa história é falsa!", escreveu.

"Sempre pensei ser bom reunir e conversar, mas, neste caso, decidi não fazer isso".

Tags:

COMENTÁRIOS dos leitores