Entenda como o perdão ajuda no autoconhecimento

Continuar rememorando as dores e magoas vividas no passado vão gerar cada vez mais sofrimento para a pessoa

por Alex Dinarte sex, 30/08/2019 - 18:28
Divulgação O perdão é, por vezes, de difícil compreensão, tanto para perdoar alguém quanto para perdoar a si próprio Divulgação

Criado em 2017, após aprovação do projeto da então deputada federal Keiko Ota (PSB-SP), o dia 30 de agosto é lembrado como o Dia Nacional do Perdão. Keiko escolheu a data por ser o dia do assassinato de seu filho Ives, em 1997, após o menino de oito anos ter sido sequestrado por uma quadrilha em que um funcionário da família era membro. Tanto ela como seu marido, o empresário Massataka Ota, perdoaram os três envolvidos no crime.

O perdão é, por vezes, de difícil compreensão, tanto para perdoar alguém quanto para perdoar a si próprio. Para o psicólogo clínico Reinaldo Braga, a carga da não resolução dos conflitos é ainda mais pesada para quem não consegue assimilar o perdão e que acaba carregando uma dor mental. "Há duas opções: perdoar ou deprimir. Continuar rememorando as dores e magoas vividas no passado vão gerar cada vez mais sofrimento para a pessoa", considera Braga.

As decepções na vida cotidiana também podem prejudicar a quem se cobra muito após um desapontamento. Perdoar-se é um caminho. Segundo o especialista, sócio fundador da Árvore da Vida Psicologia, é de suma importância enxergar o fato com a consciência do momento presente e não com as emoções vividas no passado. "Devemos tentar compreender nossas atitudes, nos perdoar e não nos cobrar tanto, pois, afinal de contas, sempre há um aprendizado quando erramos", conclui o psicólogo.

COMENTÁRIOS dos leitores