Petróleo fecha em alta, com estoques dos EUA

O recuo nos estoques dos Estados Unidos, revelado ontem, esteve no radar

qui, 25/07/2019 - 20:47

Os contratos futuros do petróleo fecharam a sessão desta quinta-feira, 25, em alta, recuperando-se da queda da sessão anterior. O recuo nos estoques dos Estados Unidos, revelado ontem, esteve no radar. Além disso, investidores monitoraram a comunicação do Banco Central Europeu (BCE), que, embora tenha mantido os juros, sinalizou disposição para estimular a economia da Europa mais adiante neste ano.

O petróleo WTI para entrega em setembro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) avançou 0,25% para US$ 56,02 o barril. Já o petróleo Brent para o mesmo mês negociado na Intercontinental Exchange (ICE) registrou alta de 0,33%, a US$ 63,39 o barril.

O mercado reagiu aos dados de estoques nos Estados Unidos divulgados ontem pelo Departamento de Energia (DoE). A queda de quase 11 milhões de barris de petróleo nos estoques na semana passada, bem mais acentuada que o esperado, voltou a alimentar preocupações com a oferta da commodity. A produção média diária também registrou baixa expressiva.

Analistas acreditam que a redução brusca dos estoques se deve parcialmente à interrupção de 73% da produção no Golfo do México no início de julho. "Com a retomada total das atividades no final de semana passado, é provável que a produção retorne a níveis normais no relatório da semana que vem", escrevem os especialistas Warren Patterson e Wenyu Yao, do ING Group.

Nesta quinta-feira, o BCE anunciou uma mudança de guidance, reconhecendo a possibilidade de "juros nos níveis atuais ou mais baixos até meados de 2020". A autoridade monetária também informou que avalia medidas adicionais de estímulo, como a retomada do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

Por outro lado, o dólar um pouco mais forte ante outras moedas principais conteve o movimento da commodity, já que nesse caso o petróleo fica mais caro para os detentores das demais divisas. / Com informações da Dow Jones Newswires.

Tags:

COMENTÁRIOS dos leitores