Petróleo fecha em forte alta, apoiado por câmbio

A commodity foi apoiada pelo recuo do dólar, pelo dado de estoques nos Estados Unidos e também pela possibilidade de que uma tempestade no Golfo do México prejudique a oferta

qua, 10/07/2019 - 17:00

Os contratos futuros de petróleo fecharam com ganhos expressivos nesta quarta-feira, 10. A commodity foi apoiada pelo recuo do dólar, pelo dado de estoques nos Estados Unidos e também pela possibilidade de que uma tempestade no Golfo do México prejudique a oferta.

O petróleo WTI para agosto fechou em alta de 4,50%, em US$ 60,43 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro subiu 4,42%, a US$ 67,01 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE). O contrato mais negociado do WTI fechou no maior patamar desde 22 de maio e voltou a superar a marca de US$ 60 o barril, enquanto no caso do Brent o fechamento foi o maior desde 29 de maio para o contrato mais líquido.

O Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informou que os estoques de petróleo dos EUA recuaram 9,499 milhões de barris na última semana, bem acima da previsão de recuo de 2,4 milhões de barris dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Os estoques de gasolina também caíram, embora os de destilados e a produção média diária tenham aumentado ante a semana anterior. De qualquer modo, após o dado os contratos ganharam força.

Além disso, no câmbio o dólar registrou forte queda, em meio a declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, que podem sinalizar corte nos juros mais adiante nos EUA. O movimento no câmbio torna o petróleo mais barato para os detentores de outras divisas e tende a apoiar a demanda.

Entre as notícias do setor, uma depressão tropical pode se formar nesta quinta-feira no Golfo do México, com potencial de chuvas fortes e ventos. Isso pode levar à paralisação temporária de algumas plataformas de petróleo offshore e também de gás natural, enquanto refinarias no Texas e na Louisiana também podem ser afetadas. O sinal negativo para a oferta do petróleo colaborou para a alta forte desta quarta.

Com informações da Dow Jones Newswires

Tags:

COMENTÁRIOS dos leitores