Salvini triunfa nas eleições europeias na Itália

O vice-primeiro-ministro italiano afirmou que a vitória nas eleições europeias não provocará uma crise interna no governo da Itália

seg, 27/05/2019 - 08:49
Miguel MEDINA Primeiro-ministro Matteo Salvini vota em Milão em 26 d emaio de 2019 Miguel MEDINA

A Liga de Matteo Salvini, de extrema-direita, triunfou no domingo (26) nas eleições europeias na Itália, ao obter mais de 34% dos votos, enquanto seu aliado, o Movimento 5 Estrelas (M5E), caiu para 17%, de acordo com os resultados praticamente definitivos.

"Apenas uma palavra: OBRIGADO, Itália", escreveu no Twitter o vice-primeiro-ministro italiano e titular da pasta do Interior.

Com mais de 99% das urnas apuradas, a Liga tem 34,3% dos votos. Nas eleições europeias de 2014 o partido obteve apenas 6%. Nas legislativas de março de 2018, a Liga recebeu 17%.

Para Salvini, o resultado representa um triunfo depois de ter assumido o comando do partido - ex-secessionista do Norte - em 2013 para tornar a Liga uma formação nacionalista em pleno auge, inclusive no sul do país.

O líder de extrema-direita mudou a relação de forças com o M5S, grande perdedor com 17% dos votos, muito longe dos 32,5% de março de 2018, o que voltou a provocar dúvidas sobre a sobrevivência do governo de Giuseppe Conte.

"A Liga se torna o primeiro partido na Itália", reclamou Riccardo Molinari, senador da Liga, em um programa de televisão.

Salvini afirmou que a vitória nas eleições europeias não provocará uma crise interna no governo da Itália.

"Meus aliados do governo são meus amigos", disse Salvini, vice-primeiro-ministro e ministro do Interior, em suas primeiras declarações à imprensa.

Salvini antecipou que não romperá sua aliança com o partido antissistema Movimento 5 Estrelas, com o qual governa desde junho de 2018.

Após um ano no poder, utilizando as redes sociais constantemente e aplicando uma política dura contra a migração, Salvini se tornou o político mais votado do país.

"Não vamos usar estes resultados para cobranças internas, e muito menos para pedir ministérios ou cargos", completou.

As eleições reforçam o poder do líder da Liga, que se apresenta como o novo rosto da ultradireita europeia: branca, católica e inimiga dos migrantes.

A tensão e as disputas entre os dois partidos no poder, e em particular entre seus líderes, aumentaram nas semanas anteriores às eleições europeias, o que transformou a votação em um verdadeiro teste para as duas formações, do qual o M5E sai derrotado.

Após a queda a 18% em 2018, o Partido Democrata (PD) celebrou os resultado de domingo: 22,7% dos votos nas eleições europeias.

O avanço dos ecologistas registrado em vários países da Europa, no entanto, não chegou à Itália, onde os Verdes receberam apenas 2,29% dos votos.

COMENTÁRIOS dos leitores