Em debate, candidatos questionam promessas de Paulo Câmara

Candidato à reeleição, o governador foi indagado pelos adversários sobre os dados repassados pelo guia eleitoral dele sobre a situação atual do Estado

por Giselly Santos ter, 18/09/2018 - 10:32
Reprodução/Twitter/Rádio Liberdade Debate acontece em Caruaru Reprodução/Twitter/Rádio Liberdade

Quatro dos seis candidatos a governador de Pernambuco se enfrenaram, na manhã desta terça-feira (18), durante um debate promovido pela Rádio Liberdade, em Caruaru, no Agreste. O candidato Armando Monteiro (PTB) iniciou o primeiro bloco perguntando ao governador Paulo Câmara (PSB), que busca a reeleição, sobre as promessas que ele havia feito em 2014 e não cumpriu como o aumento salarial dos professores, a construção de hospitais e a implantação do bilhete único. 

“Todos nós sabemos que em 2014, na eleição, vivíamos um momento diferente e a partir de 2015 vivemos a maior crise do país”, justificou Paulo, pela ausência de cumprimento de alguns compromissos. “Pernambuco sabe o grau de quase colapso que enfrentamos no últimos anos [com a seca], avançamos no abastecimento de água. Uma área que não tinham promessas. Isso também vale para segurança. E avançamos em todas as áreas”, completou. 

Armando, por sua vez, voltou a rebater. “Efetivamente ele não fez o que prometeu e agora se apresenta fazendo uma nova geração de promessas. Paulo é por isso que o povo já não acredita em política. Falamos aqui dos hospitais, mas aqui mesmo em Caruaru, o Hospital da Mulher se arrasta. Foi retomada uma vez, a segunda e até agora nada existe. O Hospital São Sebastião você fez uma inauguração precária, então como acreditar nessas promessas novas?”, indagou.

Como réplica, Paulo disse que “o Hospital São Sebastião está salvando vidas” e “quando se abre um hospital não se abre 100%”. “Isso tudo faz parte de um planejamento é um governo que faz gestão e sabe controlar as contas. É um governo transparente”, disse o governador. 

Em seguida, Paulo Câmara questionou Dani Portela (PSOL) sobre suas propostas para a educação, citada por ele como a melhor do país. “O que me chama muita atenção é que muitas vezes as pesquisas, dados e números nem sempre remetem à verdade”, disparou a candidata do PSOL.

“Sou advogada nos sindicatos da educação e por onde tenho andado a reclamação que mais escuto é que a escola que vemos na propaganda não é a escola da realidade. Nenhuma escola deveria valer menos, nenhum aluno deveria valer menos e nenhum professor deveria valer menos. Será que é justo um aluno sair para aprender outra língua do Brasil e outra escola no interior não ter o professor desta disciplina”, completou. 

Em resposta, Paulo disse que “apesar da crise” teve a capacidade “de contratar mais de 3 mil professores”. “É a maior rede de escola integral emtodo o Brasil. Nos próximos quatro anos queremos que 70% dos alunos sejam atendidos com escolas integrais”, frisou, pontuando a promessa de criar o Prouni Pernambuco. 

No segundo bloco, o tema educação foi retomado pelos mesmos candidatos e Paulo Câmara disse que também investe nas escolas regulares. “Todo município pernambucano tem uma escola de tempo integral, inclusive Fernando de Noronha. Mas a escola regular é bem cuidada. Com 70% vamos chegar ao alcance de todos os alunos e vamos continuar fazendo o que sempre fizemos, valorizando o professor. A PEC do Teto de gastos vai tirar recursos da educação, assim como a saúde, mas aqui em Pernambuco vamos continuar a avançar”, argumentou. 

COMENTÁRIOS dos leitores