Após ataque a ônibus do Fortaleza, CBF vai penalizar clubes por violência de torcedores fora do estádio

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) passará a penalizar clubes por violência em deslocamentos para as partidas

Após ataque a ônibus do Fortaleza, CBF vai penalizar clubes por violência de torcedores fora do estádio

O Sport foi punido com quatro jogos de portões fechados em competições organizadas pela CBF. Foto: Júlio Gomes/LeiaJá/Arquivo

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai começar a responsabilizar os clubes por atos violentos de torcedores fora da chamada “praça desportiva”. É o que consta no novo Regulamento Geral de Competições (RGC), de 2024, que foi alterado após ataque ao ônibus do Fortaleza por membros de uma uniformizada do Sport, em fevereiro, a cerca de 8 km da Arena de Pernambuco.

Esta é, portanto, uma forma de passar a penalizar os clubes por ocorridos nos arredores dos estádios. A determinação consta no artigo 79 do Regulamento, divulgado nesta semana, no site da CBF.

A nova redação do artigo determina que as equipes terão de responder pelos atos de violência praticados “contra delegações de clubes, bem como as equipes de arbitragem em deslocamentos para as partidas”.

Na última terça-feira (9), quando o Sport foi julgado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o Pleno já havia levantado a mudança no Regulamento. Segundo o procurador Felipe Bevilacqua, tal medida pode coibir episódios de desordem no futebol brasileiro.

O que levou a CBF a mudar o RGC?

O estopim para a mudança da CBF foi o atentado ao ônibus do Fortaleza, no bairro do Curado, no Recife. Na ocasião, membros de uma torcida uniformizada do Sport arremessaram pedras e bombas ao ônibus que levava a delegação do Fortaleza de volta ao hotel, após as equipes empatarem em 1×1, pela Copa do Nordeste.

Há menos de dois meses do ocorrido, seis suspeitos já foram presos pela Polícia Civil de Pernambuco (PCPE). Entre eles, está o presidente e o vice da principal organizada do Rubro-negro.