Náutico e Central empatam em jogo do gol mais rápido do PE

Timbu abriu o placar com 18 segundos, mas precisou se contentar com o empate

Náutico e Central empatam em jogo do gol mais rápido do PE

O Náutico precisou de apenas 18 segundos para balançar as redes do Central, nesta quarta-feira (24), em Caruaru, pela quarta rodada do Campeonato Pernambucano. No entanto, o Alvirrubro passou bem perto de voltar ao Recife com a derrota na bagagem. A Patativa virou o placar e empate em 2 x 2 só foi selado já perto do final do jogo.

Com o resultado, o Timbu permanece na segunda posição, agora com oito pontos conquistados, dois a menos que o Central, que tem 10. O Náutico volta a campo no próximo sábado (27), quando encara o Santa Cruz no Clássico das Emoções, enquanto no domingo (28), a equipe de Caruaru visita o Retrô na Arena de Pernambuco.

Timbu inicia em alta rotação

O Náutico não deixou o Central respirar. Logo aos 18 segundos, veio o gol que abriu o placar. Evandro recebeu na entrada da área, se desvencilhou da marcação e bateu de perna esquerda, inapelável para Jefferson, fazendo a festa da torcida alvirrubra presente em Caruaru. Foi o gol mais rápido desta edição do Campeonato Pernambucano. O Central respondeu aos três, mas o chute de Erivelton saiu sem direção.

Aos poucos, a Patativa ia tentando se encontrar no jogo. Com oito minutos, Alan Pires surgiu de frente para o gol e driblou dois marcadores. Na hora do arremate, contudo, pegou muito fraco na bola. Vagner fez a defesa tranquila.

O problema alvinegro é que o Timbu queria, de fato, deixar o adversário contra as cordas. Em dois minutos, Patrick Allan quase ampliou. Na primeira, ele ficou com a sobra de bola e soltou uma bomba, carimbando o travessão de Jefferson; na segunda, não calibrou bem o chute e mandou à esquerda do alvo.

Após o início efervescente, o jogo foi esfriando na segunda metade do primeiro tempo. Foi aí que o Central viu a oportunidade igualar o jogo. Aos 35, após lançamento de Murilo Rangel, Lucão escorou de cabeça e Moacir completou para o fundo das redes, deixando tudo igual no Lacerdão. Cinco minutos depois, o Timbu teve a chance do desempate, mas Rafael Vaz cobrou mal a falta, no último lance de destaque da primeira etapa.

Patativa começa segundo tempo voando; Timbu reague

Se nos primeiros 45 minutos foi o Náutico começou ligado, na etapa final foi o Central quem deu as cartas. Logo aos três minutos, virou o placar. Alan Pires cruzou na esquerda e Joelson, bem colocado, testou no contrapé de Vágner e fez o segundo gol dos donos da casa: 2 x 1.

Do outro lado, o Timbu acabou acusando o golpe, ficando mais acuando em seu campo de defesa. Impaciente, tentava pressionar a saída de bola da equipe da casa, mas fazia a falta. Até que aos 11, Evandro teve boa chance de empatar. Recebeu próximo à marca do pênalti, girou sobre a marcação, mas pegou muito embaixo da bola e a finalização saiu acima do alvo.

Com 16 no relógio, Leandro Barcia teve ótima chance de fazer o segundo do Náutico. Na hora do arremate, entretanto, mandou à direita da meta de Jefferson. Três minutos depois, foi a vez de Danilo Belão desperdiçar boa oportunidade para os alvirrubros. E a pressão só aumentava. Aos 25, Marco Antônio bateu firme e por pouco não deixou tudo igual.

De tanto insistir, o Náutico foi premiado com o gol de empate. Aos 33, Evandro cobrou falta no capricho e quase marcou um golaço – a bola parou no travessão. No rebote, Robson Reis completou para o fundo das redes, deixando tudo igual outra vez em Caruaru.

No fim, Leandro Barcia ainda foi expulso após agredir o atleta do Central com um pontapé. Além disso, o placar seguiu inalterado até o apito final do árbitro. O Central até poderia ter feito o terceiro, mas Vágner operou um verdadeiro milagre para selar o resultado em Caruaru.

Ficha do jogo

Competição: Campeonato Pernambucano

Local: Estádio Luiz Lacerda (Lacerdão), em Caruaru

Central: Jefferson; Peixoto, Yuri, Lucão e Alan Pires; Henrique Silva (Grafite), Moacir, Erivélton e Murilo Rangel (Jardel); Zé Arthur (Vini Bala) e Leandro Costa (Joelson). Técnico: Mauro Fernandes

Náutico: Vágner; Danilo Belão, Guilherme Matos (Robson Reis), Rafael Vaz e Luiz Paulo; Lorran (Marco Antônio), Marcos Júnior e Patrick Allan (Kauan Maranhão); Leandro Barcia, Evandro (Fernandinho) e Júlio César (Ray Vanegas). Técnico: Allan Aal

Árbitro: José Woshington (PE)

Assistentes: Michel Ferreira do Nascimento e João Henrique de Oliveira Lima (ambos de PE)

Cartões amarelos: Yuri, Murilo, Henrique, Moacir e Grafite (C); Danilo Belão e Guilherme Matos

Cartões vermelhos: Leandro Barcia (N)

Público: 4.130

Renda: R$ 116.280,00