Fãs feridos no Autódromo de Interlagos recebem alta

As duas vítimas precisaram de atendimento médico na sexta, após incidentes causados pela tempestade no Autódromo de Interlagos, receberam alta neste sábado

Os dois fãs de Fórmula 1 que precisaram de atendimento médico na sexta-feira, após incidentes causados pela tempestade no Autódromo de Interlagos, receberam alta neste sábado. Os torcedores estavam no circuito para acompanhar os primeiros treinos do GP de São Paulo.

Um deles deu entrada no Hospital Municipal de Parelheiros, na zona sul da capital paulista, por volta das 18 horas de sexta. Ele sofreu ferimentos considerados leves devido aos estragos causados na estrutura do Autódromo após o forte vento e a chuva, que atingiu o local a partir das 16h10.

“Após realizados todos os exames preconizados e observação de 12h, o paciente recebeu alta hospitalar na manhã de hoje (04)”, informou a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). O órgão não informou mais detalhes sobre o quadro clínico do torcedor. O outro fã, cujo estado também não foi revelado, recebeu alta neste sábado também.

Na sexta-feira, a organização do GP de São Paulo confirmou que seis torcedores ficaram feridos durante a tempestade que antecipou o fim do treino classificatório e causou transtorno nas arquibancadas e na saída dos fãs do autódromo. Nenhum dos casos foi grave e apenas dois precisaram de atendimento médico.

A tempestade causou danos na estrutura de dois trechos das arquibancadas. Uma das arquibancadas afetada fica localizada na “Curva do Lago”, ao fim da “Reta Oposta”. Parte da lona foi arrancada pelo forte vento. Vídeos na rede social X (antigo Twitter) mostram o momento em que o vento causa o maior estrago, desprotegendo os torcedores na chuva. Em outro, espectadores correm para deixar as arquibancadas enquanto tentam se proteger da chuva e do vento forte. A pista de Interlagos ficou repleta de sujeira após o temporal.

Em outro setor, na “Junção”, pouco antes da “Reta dos Boxes”, o estrago foi maior, danificando uma das colunas de sustentação da própria arquibancada. Presente no local na hora em que o vento estava mais forte, o fotógrafo Andy Hone flagrou o momento que a estrutura envergou e disse ter corrido risco de morte. “Que dez minutos assustadores na pista! O teto de uma arquibancada colapsou na última curva e eu quase fui decapitado por detritos que caíram de lá”, declarou o especialista em fotos de F-1.

O vento era tão forte que a chuva superou as brechas do teto do paddock e invadiu a área de convivência de pilotos, jornalistas e convidados. Integrantes das equipes da F-1 precisaram correr para escapar da chuva.

A organização passou a madrugada deste sábado fazendo os reparos necessários na estrutura do circuito. Em um dos trechos, a lona foi reinstalada. A outra parte afetada não contou com nova cobertura, mas a estrutura de ferro foi ajustada.

A reportagem do Estadão ainda verificou que outros serviços de limpeza, para retirada de folhas e galhos que ficaram espalhados pelo autódromo, ainda estavam sendo feitos no início da manhã deste sábado, a tempo de receber os fãs que acompanharam a corrida sprint.