Atleta, Paulo André entrou no BBB com plano de treinos

"Se ele ficar mais de seis semanas, começa a comprometer, mas ainda acredito que ele vá ao Mundial", opina especialista

ter, 01/02/2022 - 18:10
Wagner Carmo/CBAt Paulo André Camillo, nas olimpíadas de Tóquio, em 2021 Wagner Carmo/CBAt

Participantes do reality show Big Brother Brasil, da Rede Globo, já estranham os treinos físicos puxados que o corredor Paulo André Camilo realiza diariamente mesmo confinado na casa. Principal nome do atletismo brasileiro nas provas de velocidade nos últimos anos, o atleta de 23 anos, que integra o grupo "Camarote", tenta conciliar a participação na competição, que pode durar até três meses, e a temporada de atletismo. É o primeiro atleta olímpico a participar de uma edição do BBB.

Carlos Camilo, ex-corredor, treinador e pai de Paulo André, preparou um treino para o atleta pensando em vários períodos de permanência dentro de casa, um, dois ou até três meses. A ideia é que Paulo André não perca o condicionamento físico. É difícil, mas o treinador garante que dá.

"Ele não vai sair cru de lá. Ele treina força (musculação). Não existe velocidade sem força e potência. Quando ele sair, a gente treina velocidade, mas ele é veloz por natureza", disse o pai, velocista que foi convocado para as Olimpíadas de Los Angeles-1984, mas foi cortado por lesão. "Não quero que ele saia, quero que ele fique. É curto? É. Também vai depender da minha capacidade de técnico para ajustar tudo isso. Depende de mim também", avalia.

O primeiro objetivo da temporada é o Troféu Brasil de Atletismo, a principal competição do calendário nacional. O torneio será realizado de 23 a 26 de junho, ainda em cidade a ser definida. É o último prazo para a obtenção de índice e pontos. Se ele for bem, seu projeto BBB deu certo. O segundo passo é o Mundial de Atletismo de Oregon, nos Estados Unidos, em julho. "Quando ele sair, a gente coloca ele numa bolha, um lugar reservado só para treinos. Não vai poder perder um dia, seja chuva, sol ou até neve", planeja.

Cleberson Lopes Yamada, especialista em atletismo e técnico nos Jogos do Rio 2016, acha o projeto possível, mas afirma que tudo depende do tempo de permanência na casa.

"Se ele ficar até quatro semanas, não muda muito, pois ele não está parado e é um atleta extremamente rápido e regular", opina. "Se ele ficar mais de seis semanas, começa a comprometer, mas ainda acredito que ele vá ao Mundial. Ele tem pontuação muito boa e sabe que pode correr bem ainda no Troféu Brasil".

Foto: Reprodução/TV Globo

Com a marca de 10s02 na prova dos 100m, a mais nobre do atletismo, Paulo André é o terceiro homem mais rápido do Brasil. De acordo com a Confederação Brasileira de Atletismo, ele fica atrás apenas de Robson Caetano (10s) e Erik Felipe (10s01).

SURPRESA

A entrada no programa de entretenimento pegou o mundo do atletismo de surpresa. O Comitê Olímpico do Brasil (COB) afirma que não foi avisado dos planos do atleta antes que ele entrasse na casa. Por outro lado, fontes ouvidas pelo Estadão ponderam que não seria necessária uma comunicação formal, pois não há acordo nesse sentido. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) também só ficou sabendo depois da entrada oficial na casa.

"Este projeto é, até certo ponto, ousado. Ousado na medida em que coloca o Paulo André em um desafio fora das pistas de atletismo, tendo o máximo de cuidado para não comprometer a continuidade do outro projeto, a participação nas competições oficiais de atletismo", afirma Basílio de Moraes, empresário do corredor, ex-velocista e que esteve nos Jogos Olímpicos de 2004.

O pai reconhece que ficou assustado quando soube do convite.

"No começo, eu fiquei meio assim, coisa de momento, mas não foi nada grave. Agora estou com ele, como pai e como treinador. A gente sentou com a família e conversou. Se errar, errou todo mundo. Se acertar, acertou todo mundo. Mas não vai errado, não", afirma. "É o plano dele, se não fosse ficaria frustrado e ficar com raiva pelo resto da vida. Não só ele, mas a maioria de estar lá", justifica o pai.

Basílio afirma que a entrada na casa significa implementar projetos para a carreira de Paulo André e também ampliar a visibilidade do atleta, da modalidade e até da cidade de Vila Velha (ES), onde treina o semifinalista olímpico nos 100 m nos Jogos de Tóquio.

Os ganhos em notoriedade já são notados. Levantamento da Federação Paulista de Atletismo (FPA) mostra que ele é o terceiro maior atleta em número de seguidores no Instagram. O atleta de 23 anos só fica atrás de Usain Bolt, que já encerrou a carreira e possui 11 milhões de seguidores, e do ídolo indiano Neeraj Chopra, atleta do lançamento de dardo com mais de 5 milhões. Antes de ser confirmado no programa, ele tinha apenas 78 mil seguidores, agora Paulo André chegou a 2,3 milhões de seguidores.

Bolsas esportivas em risco

Paulo André Camilo continua recebendo ajuda financeira do Bolsa Atleta. Sem treinar, por conta do confinamento no reality show, o atleta permanece com a verba R$ 1.850 do governo federal. De acordo com informações da Folha de São Paulo, Paulo André também é contemplado pelo governo do Espírito Santo.

O jornal paulista destaca que o velocista recebe do Bolsa Atleta Capixaba cerca de R$ 2 mil. Além disso, o participante do BBB é terceiro-sargento da Marinha, acumulando mensalmente pela patente um salário de R$ 4.700. Tudo isso está em risco.

COMENTÁRIOS dos leitores