Pirlo corta Arthur, McKennie e Dybala de jogo após festa

A razão do corte foi uma punição imposta aos jogadores pela ida em uma 'reunião' na casa do meia americano

sex, 02/04/2021 - 16:02
Reprodução/Creative Commons Pirlo foi duro em suas palavras de desaprovação aos jogadores Reprodução/Creative Commons

O técnico da Juventus, Andrea Pirlo, deixou Arthur, McKennie e Dybala de fora da convocação para o Derby della More, como é chamado o clássico com o Torino. A razão do corte foi uma punição imposta aos jogadores pela ida em uma "reunião" na casa do meia americano.

O evento foi divulgado como festa e aconteceu na residência de McKennie, próximo a Turim, na região de Piemonte. Dentro das medidas de contenção de contágio de covid-19 pelo governo italiano, a região é considerada "zona vermelha", ou seja, com alto risco de contágio, por isso, reuniões e visitas, ainda que pouco numerosas, são consideradas proibidas.

Por reclamações de vizinhos, a polícia foi até o local e constatou a presença de visitantes. De acordo a Gazetta de lo Sport e a Stampa, havia aproximadamente 20 pessoas na casa. O encontro foi minimizado por Dybala, que, em redes sociais, afirmou que "não era uma festa". Ainda assim, o atacante argentino considera que não deveria ter comparecido, se desculpou na postagem e disse: "seria melhor não ter errado, mas eu errei por ter saído de casa para jantar".

Mesmo assim, Pirlo foi duro em suas palavras de desaprovação aos jogadores. Em coletiva de imprensa, o técnico reprovou a atitude de seus comandados. "Temos de servir de exemplo. Fizeram na ocasião errada, pelo que se passa no mundo e não só pela equipe". Para o italiano, a atitude foi desrespeitosa. "Não era o momento adequado para fazer isso, por respeito a todos aqueles que respeitam as regras. Não era o momento, dois dias antes do jogo. Queria dar um sinal: somos exemplos e devemos nos comportar exemplarmente", ressaltou o técnico.

Os jogadores foram multados pela polícia e também pelo clube, além do corte realizado pelo técnico. "Levantamos nossa voz quando temos que fazê-los entender certas coisas, mas eles são grandes e vacinados. É justo que façam o que quiserem, respeitando as regras", concluiu Pirlo.

COMENTÁRIOS dos leitores