Dia do Atletismo: conheça o gari que virou atleta

O mineiro Johnatas Cruz foi o quarto melhor brasileiro nas duas últimas edições da Corrida de São Silvestre e representou o país no mundial de Cross Country na Dinamarca

por Alex Dinarte qua, 09/10/2019 - 19:22

Mesmo não sendo uma data oficial do calendário brasileiro, o 09 de outubro é lembrado como o Dia do Atletismo. Considerado base para diversas modalidades, o segmento já premiou o Brasil nos Jogos Olímpicos, em torneios internacionais e registrou esportistas do país como recordistas mundiais. O que muitos não percebem é que este esporte pode estar mais perto do que parece. Por um acaso você já parou para pensar que um dos profissionais da coleta de lixo podem ser um desses atletas? É com uma história dessas que o LeiaJá homenageia os praticantes do atletismo.

Nascido em Minas Gerais, o coletor de materiais recicláveis Johnatas Cruz, de 29 anos, começou a trabalhar na limpeza urbana de São Paulo no ano de 2012. A atividade, que exige preparo físico e muita disposição, era exclusiva para garantir o sustento da família até 2015, quando percebeu que o ofício poderia virar uma prática esportiva ao conhecer o técnico Lafaiete Luís. “Comecei a dedicar três horas do meu dia ao atletismo profissional pois descobri que, como todo coletor, tinha um atleta dentro de mim, cada um de nós percorre em média 20 a 30 quilômetros por dia”, conta Cruz. 

Johnatan Cruz ficou entre os 100 melhores do Mundial de Cross Country. Foto: CBAt

Motivado pela família, amigos e pelos bons resultados no início de sua inserção no esporte, o atleta tem números impressionantes. Apesar de seguir firme em sua atividade na limpeza urbana das 18h até meia-noite, Cruz é dono de marcas como o 16º e o 13º lugar nas edições de 2017 e 2018 da tradicional Corrida de São Silvestre, o quarto brasileiro das duas etapas. “Consegui minha melhor marca na pista pelo troféu Brasil no começo de setembro, segundo lugar nos 10 mil metros rasos e terceiro nos 5 mil metros rasos”, declara o atleta. Além dos resultados como fundista, o brasileiro também representou o país no Sul-Americano de Cross Country no Equador (2º colocado) e figurou entre os 100 primeiros no Mundial desta modalidade, disputado na Dinamarca.

A rotina do atleta é diferenciada. Além de dar atenção à esposa Yasmin e aos três filhos, Jamille, Julia e Anthony, Cruz comenta que seu dia-a-dia é cheio de atividades, o que o obriga a ter uma espécie de trabalho-treino. “O treinamento começa às 9h, descanso no período da tarde para fazer mais uma parte do treino no trabalho, um trote atrás do caminhão”, comenta. Competindo pela cidade de Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, Cruz acrescenta que busca na família e na fé a inspiração para seguir em busca do sonho de disputar os Jogos Olímpicos. “Agradeço a Deus todos os dias por levantar com força, saúde, dedicação, perseverança, foco, compromisso e amor”, completa.

 

COMENTÁRIOS dos leitores