Exposição ‘Entre o Aiyê e o Orun’ traz mitos da criação do mundo das religiões afro-brasileiras

A abertura será nesta terça-feira (18), às 19h, na CAIXA Cultural

Exposição ‘Entre o Aiyê e o Orun’ traz mitos da criação do mundo das religiões afro-brasileiras

Acervo da mostra. Foto: Pierre Verger

Nesta terça-feira (18), às 19h, a CAIXA Cultural, no Recife, recebe a exposição Entre o Aiyê e o Orun, que traz como temática central os mitos da criação do mundo das religiões afro-brasileiras. O público poderá apreciar pinturas, desenhos, esculturas, fotografias, instalações, entre outras expressões.

Para a abertura da mostra, a curadora Thais Darzé acompanhará o público em duas visitas guiadas. A primeira na noite de abertura, terça-feira (18), às 19h, e a segunda na quarta-feira (19), às 10h. As duas atividades são gratuitas e não necessitam de inscrição prévia. A exposição tem entrada gratuita e ficará aberta para visitação até o dia 1º de setembro.

“Um traço em comum entre os artistas dessa mostra é transitarem no território do sagrado, sagrado esse silenciado, velado e perseguido durante séculos. Na visão de mundo afro-brasileira, os questionamentos não encontram respostas filosóficas, pois na tradição africana a mitologia conta histórias que narram o início e a razão das coisas. Esses mitos, também chamados de itans dentro do universo cultural afro-brasileiro, formam uma vasta mitologia vinda da África, que criou o modo de ver, vivenciar e sentir o mundo de muitos brasileiros”, cravou a curadora.

Artistas

Em resumo, a mostra contempla expoentes das artes plásticas como Agnaldo dos Santos (1926-1962), Carybé (1911-1997), Emanoel Araújo (1940-2022) e Jayme Figura (1959-2023). Além de Mario Cravo Jr. (1923-2018), Mario Cravo Neto (1947-2009), Mestre Didi (1917-2013), Pierre Verger (1902-1996), Rubem Valentim (1922-1991), Ayrson Heráclito, Caetano Dias, J. Cunha, José Adário e Nadia Taquary.

Com ampla relevância para o setor artístico, a mostra também destaca a diversidade de suportes e técnicas exaltando a pluralidade da produção artística oriunda da Bahia, berço da cultura africana no Brasil. A exibição conta com patrocínio da CAIXA e do Governo Federal.

Atividade

Como parte da programação, será realizada uma Oficina de artes visuais com Caetano Dias, no dia 10 de agosto, às 10h. O evento também é gratuito, mas tem quantidade de vagas limitadas e as inscrições poderão ser realizadas através do site CAIXA Cultural, a partir do dia 6 de agosto.

Serviço
Exposição Entre o Aiyê e o Orun
Local: CAIXA Cultural Recife (Av. Alfredo Lisboa, nº 505, Bairro do Recife)
Abertura: 18 de junho, às 19h
Período de exibição: 19 de junho a 1º de setembro de 2024
Horário: de terça a sábado, das 10h às 20h, e domingos das 10h às 18h
Classificação: Livre
Entrada gratuita