Estilista fulni-Ô celebra assinatura do traje do Homem da Meia Noite

Dayana Molina celebrou possibilidade de explorar similaridades entre os povos indígenas do estado na vestimenta do calunga

Estilista fulni-Ô celebra assinatura do traje do Homem da Meia Noite

Dayana Molina, a estilista do Homem da Meia-Noite em 2024. Foto: Júlio Gomes/LeiaJá

A estilista carioca Dayana Molina é a responsável pela indumentária do Homem da Meia-Noite de 2024. Presente na concentração do desfile do calunga, que acontece na noite deste sábado (10), a artista, de origem fulni-Ô, celebrou a possibilidade de homenagear o povo Xucuru, um dos homenageados pelo gigante em 2024.

Nascida no Rio de Janeiro, Dayana é filha de mãe Fulni-Ô, um dos 15 povos indígenas de Pernambuco.

Para Dayana, ao posicionar o povo Xucuru entre os homenageados, o Homem-da-Meia-Noite contribui para afirmar o estado de Pernambuco como território indígena.

“Para mim não é só esse momento, é o que a gente faz 365 dias do ano. Trazer visibilidade para esse assunto é sim muito importante, mas eu acho que é um compromisso da sociedade civil olhar para isso diariamente e entender que apenas juntos a gente consegue transformar todo um olhar estereotipado de uma nação sobre os povos originários”, afirma.

Em 2024, além do povo Xucuru, o Homem-da-Meia-Noite homenageia o grupo de caboclinho Sete Flechas e o cantor Marrom Brasileiro. O calunga desfila à meia-noite deste sábado, com destino à sede do Cariri Olindense, para fazer a entrega simbólica da chave do carnaval da cidade.