Como a pandemia impactou a cultura no último ano

Para marcar os primeiros 12 meses de pandemia no mundo das artes e do entretenimento, o LeiaJá fez uma espécie de ‘apanhado’ para relembrar como artistas e público se adaptaram à crise

por Paula Brasileiro seg, 08/03/2021 - 08:00
Reprodução/Instagram Na TV, os protocolos de segurança foram necessários para manter o mínimo e produção. Reprodução/Instagram

Há um ano, a Terra se viu tomada por uma crise sanitária de proporções inimagináveis até então. A pandemia do novo coronavírus varreu o mundo, levando vidas - mais de 2.500.000 até o momento -, quebrando a economia e os sistemas de saúde em diversos países, e mudando para sempre o modo de habitar o planeta.

LeiaJá também

--> Pandemia completa um ano no Brasil e atinge seu auge

No Brasil, o alarmante número de mais de 250 mil mortos pela Covid-19 precisou dividir as atenções dos brasileiros com outros problemas, também gritantes. A descoordenação do Governo Federal na condução da crise de saúde e a vacinação tardia e insuficiente, além do desemprego e da volta da fome à mesa de milhares de pessoas são temas que tiram o sono do país há pouco mais de 365 dias. 

O cenário pandêmico imprimiu ao mundo uma nova maneira de viver. Com severas restrições de contato físico e convivência social, foi preciso adaptar-se ao uso de acessórios como a máscara de proteção individual, o consumo de álcool em larga escala e o uso massivo da tecnologia para tentar minimizar distâncias. Como não podia deixar de ser, as novidades recaíram, também, nas searas da arte e da cultura. 

Segundo a pesquisa Percepção dos Impactos da Covid-19 nos Setores Culturais e Criativos do Brasil, os setores da cultura e da economia criativa foram os mais afetados pela crise sanitária. Entre as organizações ligadas aos dois setores, ouvidas pelo estudo, mais de 40% disseram ter registrado perda de receita entre 50% e 100%. Sendo assim, desde o início da pandemia, tanto o consumo de produtos culturais quanto a forma de fazê-los têm passado por adaptações e tais mudanças, provavelmente, ditarão os rumos de artistas e do público daqui pra frente.

Para marcar o primeiro ano da pandemia do novo coronavírus, o LeiaJá faz um pequeno panorama das implicações da crise sanitária no mundo da arte e da cultura. Da televisão, passando pelos palcos do teatro, museus, telas de cinema e produção musical, muito precisou ser adaptado para que nem artistas, nem a audiência ficassem órfãos de trabalho - no caso dos primeiros - e de arte em um momento tão crítico. 

Cinema e festivais

Com o agravamento da pandemia, ainda no início de 2020, sets de filmagem ao redor de todo o mundo foram esvaziados. Com o endurecimento dos protocolos de segurança preconizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), várias produções cinematográficas foram suspensas e estreias adiadas ou canceladas. As salas de cinema também precisaram ser fechadas, o que causou uma perda econômica bastante significativa à indústria.

Segundo o Hollywood Reporter, em 2020 a indústria cinematográfica norte-americana teve um faturamento 80% menor ao do ano anterior, fazendo 2,3 bilhões de dólares em detrimento dos 42,5 bilhões levantados em 2019. No Brasil, as bilheterias de 2020 chegaram perto dos R$ 646 milhões, um número 75% menor do apurado um ano antes da pandemia. 

LeiaJa também

--> Cine PE 2020 anuncia data e formato inédito

--> Animage migra para a internet em edição totalmente virtual

O momento se tornou interessante, no entanto e dentro de várias limitações, para o cinema independente. Com equipes menores, bem como custos reduzidos, alguns realizadores continuaram produzindo, inclusive, tendo a própria crise sanitária e seus desdobramentos como tema, e as plataformas de streaming foram o caminho de escoamento dessa produção. 

Os festivais também tomaram parte no meio digital para não deixarem de existir. A exemplo do Cine PE, que em sua 24ª edição, em 2020, adotou o ‘Novo’ como nome do evento que foi exibido pela internet e, também, pela televisão. Outros grandes festivais como o É Tudo Verdade, Mix Brasil, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e Varilux, fizeram o mesmo. Neste mês de março de 2021, o Animage, Festival Internacional de Animação de Pernambuco, segue esse caminho e promove 10 dias de programação totalmente online.  

Vale a pena ver de novo - e de novo

Nas televisões, as necessidades de suspender produções e modificar programações foram as mesmas. As emissoras brasileiras Globo e Record, por exemplo, colocaram elencos e equipes técnicas de novelas para casa, no início de 2020, e lançaram mão das reprises de folhetins e outras atrações. 

LeiaJá também

--> Reprises fazem companhia e emocionam durante a quarentena

O jornalismo acabou ganhando maior espaço, também. A exemplo do que aconteceu na TV Globo, que mexeu na sua grade matinal para exibir o Combate ao Coronavírus, que trazia uma cobertura ampla acerca da pandemia no país e no mundo. Outros programas da emissora remodelaram seus formatos e passaram a ser exibidos pelas redes sociais, como o Mais Você, de Ana Maria Braga e o Conversa com Bial, apresentado por Pedro Bial.

No final de 2020, com o afrouxamento de alguns protocolos de segurança, os estúdios da Globo voltaram a funcionar, porém com modificações. Equipes reduzidas e até mesmo o uso de barreiras físicas de alílicos entre atores passaram a ser adotadas no processo de produção. Novelistas também foram orientados a evitar cenas com beijos e abraços, a fim de minimizar o contato físico entre os artistas. Porém, alguns atores acabaram testando positivo para a Covid após a retomada, como Rafael Cardoso, Vladimir Brichta, Jéssica Ellen e Rodrigo Simas, e o ritmo de gravações voltou a diminuir. Ainda assim, as produções de Amor de Mãe e Salve-se quem puder conseguiram ser finalizadas em 2020. 

LeiaJá também

--> Novelas voltarão após testagem de elenco para Covid

--> Regina Casé mostra como é o novo normal das novelas

Nesse meio tempo, as plataformas de streaming acabaram abrigando parte de uma audiência quase órfã. Vários serviços abriram seus sinais, no primeiro momento da crise sanitária, como forma de aliviar o isolamento social, e viram seus números crescerem de forma exponencial. No Brasil, a plataforma Telecine Play registrou um crescimento de 400% no número de cadastros, durante a quarentena. 

Pesquisa feita pela Convivas, uma plataforma de monitoramento de streaming, apurou que a audiência desses serviços de audiovisual cresceu 20% desde o início da pandemia de coronavírus. Em outro estudo, pesquisadores concluíram que, em comparação ao primeiro trimestre de 2019, os três primeiros meses de 2020 apresentaram aumento de 79% em horas vistas de vídeos sob demanda. Uma mudança que tende a ficar entre a audiência, independente do desenrolar da pandemia. 

Nas próximas matérias, você vai ver como a indústria da música e o teatro se adaptaram aos tempos pandêmicos.  

COMENTÁRIOS dos leitores