Rock in Rio: sete dias de música 'por um mundo melhor'

Evento começa nesta sexta-feira (26) com atrações como Drake e Iron Maiden e atos sociais a favor da preservação da Amazônia

sex, 27/09/2019 - 11:53
Mauro PIMENTEL Mais de 700.000 espectadores são esperados nos sete dias de festival Mauro PIMENTEL

Um grande número de estrelas internacionais, mais de 700.000 espectadores em sete dias de festival: o Rock in Rio começa nesta sexta-feira (26) com atrações como Drake e Iron Maiden e atos sociais a favor da preservação da Amazônia.

Este megaevento musical, que reunirá um público especialmente jovem de todo o Brasil no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, ganha nova dimensão com o governo do presidente Jair Bolsonaro, um cético das mudanças climáticas, acusado de machismo, racismo e homofobia.

Em sua oitava edição no Brasil - a vigésima se contados os eventos organizados em Portugal, Espanha e Estados Unidos -, o festival nascido em 1985 reafirma mais do que nunca o desejo de trabalhar por "um mundo melhor", seu slogan desde 2001.

"O tema da sustentabilidade dentro do Rock in Rio tem um olhar muito mais amplo que o meio ambiente. Tem a ver com o propósito do Rock in Rio, que é 'um mundo melhor', dar voz a uma juventude que queria voz há muito tempo", explica Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio e filha do fundador do festival, que acontece de 27 a 29 de setembro e de 3 a 6 de outubro.

Para que toda a juventude se sinta representada, a programação é mais eclética, com dias dedicados ao Hip Hop (Drake), ao Pop (Pink), ao Rock (Foo Fighters, Muse), e também ao heavy metal (Iron Maiden).

Para além das estrelas no cenário principal, outros shows oferecem duetos especialmente criados para a ocasião, como o do cantor britânico Seal com a brasileira Xênia França, ou a dupla franco-cubana Ibeyi com o rapper Emicida.

"Tocar no Rock in Rio é sempre bestial", afirma Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura e expoente do heavy metal nacional, que tocou em quase todas as edições desde 1991.

"Fui em 1985 para ver o Ozzy Osbourne naquele dia sensacional, 19 de janeiro, e agora a gente está revivendo um pouco esse dia com o Iron Maiden de volta, o Scorpions", desabafa em declarações à AFP.

Em 4 de outubro, o Sepultura vai apresentar uma música inédita do novo álbum que lançará em fevereiro.

- Guitarras autografadas para reflorestar a Amazônia -

No palco, Andreas Kisser usará uma guitarra com as cores do arco-íris, uma mensagem de tolerância à comunidade LGBT, que se sente maltratada por Bolsonaro.

"Tudo que remete ao respeito às diferenças é válido. As pessoas precisam entender outras formas de vida, de amor, de construir família. Outras formas de ser cidadão", diz.

Para ele, a intolerância voltou "porque temos um presidente que endossa esse tipo de discurso, que infelizmente mostra pouca educação, pouco respeito".

Sobre a Amazônia, tema dominante com o aumento das queimadas, o guitarrista lembra que o Sepultura denuncia o desmatamento desde os anos 1990, com os álbuns "Chaos AD" (1993) e "Roots" (1996).

"O Brasil sempre foi esse caos na questão ambiental (...) São tantas conquistas que a gente teve nesses últimos anos e que a gente está jogando no lixo, literalmente no lixo errado", conclui.

Durante o Rock in Rio, os organizadores garantem que as lixeiras estarão menos cheias de artigos não recicláveis, com "fortes restrições impostas aos fornecedores", explica Medina, que promete que "100% dos rejeitos serão reciclados ou reutilizados".

O espaço que abrigou os Jogos Olímpicos de 2016 vai virar um verdadeiro parque de diversões, com montanha russa e tirolesa, mas também contará com instalações para fomentar o desenvolvimento sustentável.

A principal delas, montada no velódromo olímpico e denominada "Nave: nosso futuro é agora", vai oferecer aos espectadores "uma experiência sensorial" com 5.000 metros quadrados de projeções que buscarão transmitir a mensagem de que "cada um pode transformar o futuro a partir de agora".

Várias guitarras autografadas e outros artigos de músicos que tocaram no festival serão leiloados para financiar um projeto de reflorestamento na Amazônia, que desde 2016 já resultou no replantio de três milhões de árvores.

COMENTÁRIOS dos leitores